sábado, 13 de fevereiro de 2010

As quatro propostas de faraó




O Mar Vermelho
João Cruzué

Quando Deus apareceu a Moisés no Monte Horebe deu-lhe uma missão quase impossível: Vem agora, pois, e eu te enviarei a Faraó para que tires o Meu povo, os filhos de Israel, do Egito. E tendo (de má vontade) aceitado aquela missão, enfrentou a astúcia do soberano do Egito que não tinha nenhuma vontade de deixar o povo ir. Por quatro vezes Faraó tentou enganar Moisés sem lograr êxito.

A primeira proposta

Então chamou Faraó a Moisés e a Arão e disse: Ide e sacrificai ao vosso Deus nesta terra. Moisés não aceitou, e por duas razões: ele temia que, sacrificando no Egito, os egípcios considerariam o sacrifício uma afronta a seus deuses e poderiam perseguir Israel. Mas o pior não era isso. Deus não aceitaria um sacrifício na terra da escravidão. O Egito simboliza o mundo, lugar do pecado; é preciso sair do mundo para consagrar a vida ao Senhor.

Deus requer mudança. Sacrifício no Egito significa um falso ensino e uma falsa conversão. A mensagem divina é: Arrependei-vos e convertei-vos dos vossos maus caminhos. O "Egito" é um mau caminho - é caminho do mundo. Um pecador para receber o perdão de Deus tem que abandonar o mundo, sair do Egito, e tornar-se para Deus.

O Faraó com tal proposta queria que Moisés e o povo de Israel pensassem que estariam agradando a Deus, mas seu real propósito era que continuassem escravos. O Egito é a terra da escravidão e Faraó simboliza satanás; e Moisés, o libertador, uma figura do Cristo.

Moisés recusou a proposta de Faraó e não aceitou o acordo.

A segunda proposta

Disse Faraó: Deixar-vos-ei ir, para que sacrifiqueis ao Senhor, vosso Deus, no deserto; somente que indo, não vades longe; orai também por mim. Tendo sofrido as conseqüências da quarta praga, Deus estava quebrando o orgulho de Faraó lento e gradualmente. Uma nova proposta Faraó fez, depois de ouvir os conselheiros. Moisés não se deixou enganar pela aparente humildade, pois a trás daquela proposta escondia outra armadilha - sacrificar perto do Egito. Isto significava coxear entre dois caminhos. Morar na divisa do Egito era tão perigoso quanto estar no Egito. Um exemplo: quando Ló, o sobrinho de Abraão, escolheu a campina do Jordão, não foi morar direto em Sodoma. Ao longo do tempo ele foi assentando sua tenda cada vez mais perto, e por fim, foi morar na própria Sodoma. Quem aceita Jesus, mas não rompe com as velhas amizades, é como a semente à beira do caminho, que fica ao alcance do diabo. Se na primeira proposta Faraó queria que Moisés aceitasse um sacrifício de mentirinha, na segunda ele esperava que a mudança também fosse de "brincadeirinha".

A terceira proposta

Mas três pragas tinham caído sobre o Egito. Sete pragas. Moisés ia fortalecendo-se diante dos olhos do Egito e de Israel. Agora ele estava na ofensiva e Faraó, acuado. Disse Moisés a Faraó: Assim diz o Senhor: Até quando recusas a humilhar-te diante de Mim? Deixa ir o Meu povo para que Me Sirva, e em seguida ameaçou com a praga de gafanhotos. Então Faraó querendo mostrar força diante de seus servos, endureceu as negociações. Moisés queria que saísse povo com suas famílias, incluindo velhos, filhos, filhas e o gado para fazer uma festa ao Senhor a uma distância de três dias no deserto. Faraó não concordou: Andai agora vós e os varões e ninguém mais. E os lançou fora do palácio.

De acordo com essa proposta, eles deviam deixar para trás as famílias e o gado. A família é um projeto do Senhor. Seu conceito é divino e uma Igreja forte se faz com famílias bem constituídas. Quando a família vai mal, sofrem a sociedade, a Igreja e toda nação. De que vale o crente ganhar o mundo inteiro para Cristo a custa da sua própria família? É isto que muitos pastores e pregadores estão fazendo. Moisés não aceitou deixar as famílias de Israel para trás; nem os velhos, nem as esposas, nem filhos, nem filhas; como também não ficariam nem os animais. Faraó recusou a proposta de Moisés e a resposta de Deus foi a praga dos gafanhotos, que arrasou com a agricultura do Egito.

A quarta proposta de Faraó.

E Faraó chamou Moisés - em Êxodo 10. 24 - e propôs: Ide e servi ao Senhor, as crianças também podem ir, mas vão ficar as ovelhas e as vacas. Faraó contava com a fuga de Israel para a liberdade. Ao exigir que ficassem as ovelhas e as vacas estava planejando que a fome debilitasse, fragilizasse Israel e quando estivesse assim, iriam se lembrar das cebolas, da comida dos escravos, e votaria correndo com os próprios pés.

Um povo sem vacas e sem ovelhas afetaria diretamente as crianças, pois não haveria leite e a reprodução ficaria comprometida. A esta altura, Moisés além de querer levar a família e o gado impôs uma nova condição: Tu também darás em nossas mãos sacrifícios e holocaustos, para que ofereçamos ao Senhor nosso Deus.

Moisés aumentou as exigências em vez de diminuí-las. Faraó, irritado, disse que nunca mais queria vê-lo. O Resultado de sua recusa em deixar sair Israel foi a última e mais devastadora das pragas: a morte de todos os primogênitos do Egito. E não houve uma casa no Egito que não acordasse de luto.

A conclusão do negócio

Faraó mandou chamar a Moisés pela última vez. Na calada da noite ele disse: Levantai, e saí do meio do meu povo, tanto vós como os filhos de Israel. Ide e servi ao Senhor, como tendes dito. Levai também convosco vossas ovelhas e vossas vacas, como tendes dito; e ide e abençoai-me também a mim. "E os egípcios apertavam o povo, apressando-se para lançá-los fora da terra com receio de serem todos mortos pelo Deus de Israel.

E fizeram , pois, os filhos de Israel conforme a palavra de Moisés e pediram aos egípcios vasos de prata, vasos de ouro e vestes. Indenização! E saíram em vitória, livres e prósperos.

Mensagens de João Cruzué

cruzue@gmail.com
imagem:farm4.static.flickr.com e imagensbiblicas.wordpress.com/

terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

Como livrei-me da depressão

Como livrei-me da depressão

Conselhos para quem anda deprimido

Photobucket

João Cruzué

Quando você passa por problemas difíceis por um longo tempo, se não tomar alguns cuidados pode entrar em um "corredor da morte". Em algumas de minhas mensagens fiz referências aos 11 anos em que estive desempregado. Sei de outras pessoas que passaram e estão passando por graves problemas financeiros, de saúde, familiares, sentimentais... Pode ser que você, agora mesmo, esteja bem no meio do olho de um furacão, e seria muito egoísmo de minha parte não deixar de falar algumas palavras das atitudes que tomei para enfrentar aqueles difíceis anos de depressão e como Jesus me deu vitória, curando meu quebrantamento.

Durante a depressão aquilo que você pensa é o que determina a qualidade do seu dia. Como, de fato eu não sei, mas "alguém" pode usar sua mente como depósito de pensamentos ruins. Você não se dá conta e acha que todo pensamento é seu. Mas pode não ser. Lembro-me de algumas vezes quando saía de casa para caminhar e orar um pouco (gosto de orar caminhando) pelas Ruas de São Paulo. Algumas vezes, estava com uma tristeza tão imensa, como se um pesado fardo estivesse em minhas costas. Pela graça de Deus, eu detinha meus pensamentos, mesmo sem experiência ainda, eu dizia para mim mesmo: "Jesus, o Senhor há de me tirar dessa" eu vou voltar a trabalhar de vou ser feliz de novo. Poucos minutos depois, não é que eu começava a me alegrar, meu humor se transformava, e assim vencia a provação do dia. É uma luta constante, de todo dia.

Quando você põe um vigia à porta da sua mente, para observar seus próprios pensamentos, você pode atacar uma das fontes do problema que é maligna. Na Bíblia, a mente é também chamada de coração. No livro de Provérbios diz: " Sobre tudo o que se deve guardar, guarda o teu coração porque dele procede as saídas da vida."

Uma coisa, muito importante, que você deve saber: há muitas pessoas que estão passando pelo mesmo problema que você, e até bem maiores, portanto não está sozinha(o) nisso. Como dizia, antes, é importante vigiar os próprios pensamentos; quem sabe a origem da sua depressão é apenas um montinho de areia da praia. Se você olhar para seu cotidiano pode descobrir seu exato tamanho. Também pode ser um "Pico da Bandeira", ou pior, um "Everest".

"Sujeitai-vos, pois, a Deus; resisti ao diabo, e ele fugirá de vós." Está na Carta de Tiago, 4:7. Uma forma de sujeição a Deus é orar todo dia. Quando orava eu conseguia mudar meu coração. A tristeza vai saindo com a escuridão da noite, quando vem a manhã. Orar, aqui, não se trata de repetir "Pai Nossos", estou falando de um conversa sincera com Deus. Como um namoro. Só a oração pode fazer o milagre de mudar nos nossos sentimentos, pois, quando você ora, traz a presença de Deus para perto e afugenta os pensamentos da presença maligna.

Certa vez, recebi a carta de um irmão na fé, presidiário, contando sobre seus dias no "Piranhão" de Taubaté. Depois de ter cometido um crime horrível, ele foi posto lá. Todo dia acordava com uma enorme dor de cabeça e um pensamento que não mudava como uma voz insistente que dizia" Você já fez isso e aquilo, envergonhou seus pais, seus vizinhos; seus amigos não gostam mais de você, então você de fato não presta e não deve mais viver. Por que não se mata? Era todo dia a mesma pressão. De vez em quando ele punha um lençol no pescoço, subia em uma cadeira, amarrava o lençol em algum lugar alto, e quando dava por si, estava a um passo do suicídio. Ele dizia que nos piores momentos, antes de tentar se matar, ele se lembrava dos tempos de criança, dos momentos que passeava com seu pai indo à feira. Isso foi antes da sua conversão.

Há um sábio provérbio que diz "mente vazia é oficina do diabo". A oração muda o foco do seu pensamento. Mas tem outra coisa tão boa quanto. Tiago disse "sujeitai-vos a Deus". Sujeitar-se não é apenas orar. A oração leva você até a presença de Deus ou faz você senti-la. Deus pode nos orientar sobre o que devemos fazer enquanto a depressão não se vai.

"E não vos conformeis com este mundo, mas transformai-vos pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus".Romanos 12:2. É uma seqüência de degraus para cima: boa, agradável e perfeita. Nos últimos anos de provações, 2001 a 2003, o Senhor orientou-me quanto ao que fazer para realizar Sua vontade. O carteiro veio e colocou uma carta de um preso no meu portão. Por que eu sabia que aquilo era da parte de Deus? Porque o destinatário da carta tinha os dizeres de um carimbo para folhetos que eu havia perdido há seis anos. Imagine você recebendo a resposta de uma coisa feita seis anos atrás? A probabilidade é muito pequena, não acha?

"Lança o teu pão sobre as águas, pois, depois de muitos dias o acharás" Ao manusear e entender o conteúdo daquela carta, o Espírito Santo, naquele momento, lembrou-me esse versículo acima de 11 de Eclesiastes. É por isso que afirmo: nossos pensamentos podem ter três fontes diferentes: a nossa, a maligna e a divina. E foi seguindo a voz do Espírito que por dois anos e meio nos ocupamos com um dos melhores trabalhos que Deus nos orientou a fazer, que era de recolher literatura cristã usada, e pelo correio, entregá-la em caixas para grupos de cristãos dentro de penitenciárias do interior paulista.

Para não ir tão longe, nos tempos que andei deprimido por vários fatores, sendo o maior um desemprego de 11 anos, a receita que segui e que me tirou do corredor da morte ou do fundo do poço foi: a vigilância dos meus pensamentos, a oração constante e solitária enquanto caminhava por ruas e estradas tranqüilas e por fim executando um trabalho social e cristão que era de escrever cartas de aconselhamento cristão para presos e coletar revistas usadas de Escola Dominical e Bíblias para mandar para as Igrejas do cárcere, pelo correio. Uma madrugada orei e pus no papel um plano: estabeleci que em dois anos conheceria lideranças cristãs em 50 penitenciárias paulistas e enviaria uma tonelada de literatura.

Enquanto coletava literatura usada, e escrevia "cartas sociais", conheci por cartas presos cristãos em 48 presídios. Recebi mais de 500 cartas de lá em uma caixa de papelão; contribuimos com literatura para 29 penitenciarias. Esta ocupação trazia-me um senso de utilidade enquanto tirava o foco dos meus problemas. Foi assim que o Senhor nos deu uma oportunidade para melhorar nossa auto-estima.

Vigiar os pensamentos, orar todo dia, de preferência caminhando, aliando o exercício físico à oração, ocupando-se com algum trabalho cristão enquanto seus dias de vitórias se aproximam, e depois, testemunhando para a Glória de Deus como estou fazendo.

Ao lado do Correio aonde postava as cartas para o cárcere, tem um grande Hospital. E mesmo com 48 anos de idade, Deus deu um basta no desemprego e provação financeira ao enviar alguém em minha casa, para dizer que aquele Hospital estava precisando de um contador temporário. Depois por concurso fiquei efetivo. O Senhor preparou aquela oportunidade para dar em minhas mãos o melhor emprego que jamais tive.

Apesar de ter trabalhado em quase todos os ramos de contabilidade, de contabilidade pública eu não entendia nada. É a mais complicada. Mas como foi o Senhor quem abriu a porta, tive a oportunidade de aprender praticando - a melhor forma de aprendizagem para meu caso.

Eu sei que Deus pode permitir que passemos por lutas de todos os tipos e tamanhos, crises e depressão. Mas não vamos passar sozinhos. O importante é que Ele o(a) encontre ocupado(a). Mexa-se!

"Mas graças a Deus, que nos dá a vitória, por Nosso Senhor Jesus Cristo"


cruzue@gmail.com