terça-feira, 15 de junho de 2010

Ser Pastor



Ser Pastor



Qual o sentido dessa palavra? Ser pastor! Uma afirmação tão pequena, mas repleta de tanto significado!

Ser pastor é muito mais que ser um pregador. Está além de ser um administrador de igreja. Muito além de professor ou conferencista. Ser pastor é algo da alma, não apenas do intelecto.

Ser pastor é sentir paixão pelas almas. É desejar a salvação de alguém de forma tão intensa, que nos leve à atitude solidária de repartir as boas-novas com ele. É chorar pelos que se mantém rebeldes. É pensar no marido desta irmã, no filho daquela outra, na esposa do obreiro, nos vizinhos da igreja, nos garotos da rua. Ser pastor é tudo fazer para conseguir ganhar alguns para Cristo.

Ser pastor é festejar a festa da igreja. É alegrar-se com a alegria daquele que conquista um novo emprego, daquele que gradua-se na faculdade, daquele que recebe a escritura da casa própria ou do outro que recebeu alta no hospital.

Ser pastor é ter o brilho de alegria ao ver a felicidade de um casal apaixonado, ao ver o sucesso na vida cristã de um jovem consagrado, é festejar a conversão de um familiar de alguém da igreja por quem há tempos se vinha orando.

Ser pastor é desejar o bem sem cobiçar para si absolutamente nada, a não ser a felicidade de participar dessa hora feliz. Mas ser pastor também é chorar. Chorar pela ingratidão dos homens. Chorar porque muitas vezes aqueles a quem tanto se ajudou são os primeiros a perseguirem-nos, a esfaquearem-nos pelas costas, a criticarem-nos, a levantarem falso testemunho contra a igreja e contra nós. É chorar com os que choram, unindo-nos ao enlutado que perdeu um ente querido, é dar o ombro para o entristecido pela perda de um amor, é ser a companhia do solitário, é ouvir a mesma história uma porção de vezes por parte do carente. Chorar com a família necessitada, com o pai de um drogado, com a mãe da prostituta, com a família do traficante, com o irmão desprezado.

Ser pastor é não ter outro interesse senão o pregar a Cristo. É não se envolver nos negócios deste mundo, buscando riquezas, fama e posição. É saber dizer não quando o coração disser sim. É não ir à casa dos ricos em detrimento dos pobres. É não dar atenção demasiada para uns, esquecendo-se dos outros. É não ficar do lado dos jovens, em detrimento dos adultos e vice-versa. Ser pastor é não envolver-se em demasia com as pessoas, ao ponto de se perder a linha divisória do amor e do respeito, do carinho e da disciplina. Ser pastor é não aceitar subornos nem tampouco desprezar os não expressivos.

Ser pastor é ser pai. É disciplinar com carinho e amor, conquanto com a firmeza da vara, da correção e, não raras vezes, da exclusão de pessoas queridas. É obedecer a Bíblia, não aos homens. É seguir a Deus, não ao coração. Ser pastor é ser justo. Ser pastor é saber dizer não, quando a emoção manda dizer sim.

Ser pastor é ter a consciência de não ser sempre popular, principalmente quando tiver que tomar decisões pesadas e difíceis, e saber também ser humilde quando a bênção de Deus o enaltecer diante do rebanho e diante do mundo. Os erros são nossos, mas a glória é de Deus.

Ser pastor é levantar-se quando todos estão dormindo e dormir quando todos estão acordados, socorrendo ao necessitado no horário da necessidade.

Ser pastor é não medir esforços pela paz. É pacificar pais e filhos, maridos e esposas, sogros e genros, irmãos e irmãs.

Ser pastor é sofrer o dano, o dolo, a injustiça, confiando nAquele que é o galardoador dos que o buscam.

Ser pastor é dar a camisa quando lhe pedem a blusa, andar duas milhas quando o obrigam a uma, dar a outra face quando esbofeteado.

Ser pastor é estar pronto para a solidão. É manter-se no Santo dos Santos de joelhos prostrados, obtendo a solução para os problemas insolúveis.

Ser pastor é não fazer da esposa um saco de pancadas, onde descontar sua fragilidade e cansaço. Ser pastor é ser sacerdote, mantendo sigilo no coração, mantendo em segredo o que precisa continuar sendo segredo, e repartindo com as pessoas certas aquilo que é "repartível".

Ser pastor é muitas vezes não ser convidado para uma festa, não ser informado de uma notícia ou ser deixado de fora de um evento, e ainda assim manter a postura, a educação, o polimento e a compaixão.

Ser pastor é ser profeta, tornar o seu púlpito um "assim diz o Senhor", uma tocha flamejante, um facho de luz, uma espada de dois gumes, afiada e afogueada, proclamando aos quatro ventos a salvação e a santificação do povo de Deus.

Ser pastor é ser marido e ser pai. É fazer de seu ministério motivo de louvor dentro e fora de casa. É não causar à esposa a sensação de que a igreja é uma amante, uma concorrente, que lhe tira todo o tempo de vida conjugal.

Ser pastor é amar aos seus filhos da mesma forma que ensina aos pais cristãos amarem aos seus. É olhar para os olhos de seus filhos e ver o brilho de seus próprios olhos. É preocupar-se menos com o que os outros vão pensar e mais no que os filhos vão aprender, sentir e receber. É ver cada filho crescer, dando a cada um a atenção e o amor necessários. É orgulhar-se de ser pai, alegrar-se por ser esposo, servir de modelo para o povo. E, quando solteiro, tornar a sua castidade e dignidade modelo dos fiéis, enaltecendo ao Senhor, razão de sua vida.

Ser pastor é pedir perdão. Se os pastores fossem super-homens, Deus daria a tarefa pastoral aos anjos, mas preferiu fazer de pecadores convertidos os líderes de rebanho, pois, sendo humanos, poderiam mostrar aos demais que é possível ser uma bênção. Mas, quando pecarem, saberem pedir perdão. A humildade é uma chave que abre todas as portas, até as portas emperradas dos corações decepcionados. A humildade pode levar o pastor à exoneração, como prova de nobresa e integridade, como pode fazê-lo retomar seus trabalhos com maior pujança e vigor. Há pecados que põem fim a um ministério e ser pastor é saber quando o tempo acabou. Recomeçar é possível, mas nem sempre.

Ser pastor é saber discernir entre ficar ou sair, entre continuar pastor e recolher-se respeitosamente.

Ser pastor é crer quando todos descrêem. Saber esperar com confiança, saber transmitir otimismo e força de vontade. É fazer de seu púlpito um farol gigantesco, sob cuja luz o povo caminha sempre em frente, para cima e em direção a Deus. Ser pastor é ver o lado bom da questão, é vislumbrar uma saída quando todos imaginarem que é o fim do túnel. Ser pastor é contagiar, e não contaminar.

Ser pastor é inovar, é renovar, é oferecer-se como sacrifício em prol da vontade de Deus. Ser pastor é fazer o povo caminhar mais feliz, mais contente, é fazer a comunidade acreditar que o impossível é possível, é fazer o triste ser feliz, o cansado tornar-se revigorado, o desesperado ficar confiante e o perdido salvar-se. As guerras não são ganhas com armas, mas com palavras, e as do pastor são as palavras de Deus, portanto, invencíveis.

Ser pastor é saber envelhecer com dignidade, sem perder a jovialidade. É ser amigo dos jovens e companheiro dos adultos. Ser pastor é saber contar cada dia do ministério como uma pérola na coroa de sua história.

Ser pastor é ser companhia desejada, querida, esperada. É saber calar-se quando o silêncio for a frase mais contundente, e falar quando todos estiverem quietos.

Ser pastor é saber viver.

Ser pastor é saber morrer. E quando morrer, deixar em sua lápide dizeres indeléveis, que expressem na mente de suas ovelhas o que Paulo quis dizer, quando estava para partir: "combati o bom combate, terminei a carreira, guardei a fé". Ser pastor é falar mesmo depois de morto, como o justo Abel e o seu sangue, através de sua história, de seu exemplo, de seus escritos, de suas gravações.

Ser pastor é deixar uma picada na floresta, para que outros venham habitar nas planícies conquistadas para o Reino do Senhor.

Ser pastor é fazer com que os filhos e os filhos dos filhos tenham um legado, talvez não de propriedades, dinheiro ou poder político, mas o legado do grande patriarca da família, daquele que viveu e ensinou o que é ser um pastor.

Eu sou pastor.
Obrigado, Senhor!

Autor: Pr. Wagner Antonio de Araújo
Igreja Batista Boas Novas de Osasco, SP

Pointrhema.blogspot.com

quinta-feira, 3 de junho de 2010

Mensagem aos que passaram por abusos de pedófilos





João Cruzué

Há alguns anos fui convidado para dirigir um culto no velório de um senhor já de Idade. Não foi muita gente e entre os familiares, duas filhas moças, um filho e a esposa do falecido. Notei que os filhos eram pessoas de muito brilho espiritual e fisicamente formosos. Era uma família crente em Cristo.

O pai, ali no caixão, em remoto passado era um homem crente. Pregador e ganhador de almas. Até que um dia caiu da graça e pecou. Foi denunciado pela esposa à polícia por abuso contra as próprias filhas. Ficou muitos anos preso, e quando saiu, foi morar só. Morto, a família mandou me chamar para realizar um culto de corpo presente, antes do sepultamento.

Enquanto cantávamos alguns hinos da Harpa, notei o rosto daquelas jovens. Não perguntei se eram solteiras ou se já tinham se casado. Vi lágrimas correndo em seus rostos como se estivessem diante de um pai comum, se é que me entende. Não notei o menor traço de amargura ou ódio nas faces daquelas moças. Deram ali um grande testemunho de vida.

E de perdão.

Sabe, este blog costuma ser lido por pessoas que às vezes passam por problemas descritos aqui. Observo que Deus pode usar esses textos que considero "bobos", para transmitir a Sua voz a alguns corações entristecidos.

Quando Deus enviou seu Filho Jesus Cristo e ele se humanizou entre nós, os dois sabiam que aqui em baixo as misérias humanas. Mas eu sei que nosso Pai o enviou para fosse nosso médico e advogado. Médico de nossas almas e Advogado de nossos pecados.

E um advogado quando defende a causa de um réu, ele se apresenta diante do juiz e defende com ousadia os interesses do perdido. O réu pode não valer um centavo, ser a pior e mais vil criatura, mas seu Advogado vai dizer que seu cliente é a mais humana das pessoas, a mais fraca e emocional de todas elas. E por fim, mostra seus bons atributos e pede a absolvição diante do juri.

Jesus, da mesma forma, quando intercede por nós diante do Pai também diz que devemos ser perdoados porque ele já pagou o preço, em nosso lugar. Mesmo que sejamos a pior das criaturas, ele confessa o nosso nome diante do Pai e diz que podemos ser perdoados, basta que o confessemos como Senhor e nosso Advogado.

O perdão gera perdão. O ódio só alimenta a amargura.

Eu não me esqueço da fisionomia calma daquelas duas jovens. O pai no passado fora um lixo, a mais baixa das criaturas. Um pedófilo dentro da própria família. Mas diante dele, corpo inerte, as duas filhas não mostravam o mínimo sinal de amargura. Elas estavam em paz. Poderiam, se quisessem, nem mesmo comparecer ao velório. Pelo contrário, determinaram que haveria até um culto.

Como Jesus é bom.

Neste mundo tão carregado de tanto ódio, Ele perdoa e faz brotar o perdão mesmo do coração mais ferido. Quando ele ensinou que devemos amar até nossos inimigos, um pai pedófilo com certeza estaria entre eles. Sei que este assunto é duríssimo, mas as cenas que presenciei mostraram-me que o perdão é o caminho.

O melhor caminho para se libertar das algemas do diabo. Ele aproveita sim as piores situações de nossa vida para nos tornar a mais infeliz de todas as criaturas, mas quando perdoamos, as algemas são quebradas e o Espírito de Deus se alegra em nós. O perdão alegra o Espírito, e a alegria do Espírito invade o coração de quem perdoa.

O que vai ser: guardar em baús as mágoas e cicatrizes de um abuso ou pedir forças a Jesus para perdoar e ser livre das lembranças de um passado tenebroso?

Que o Senhor possa abençoar você, que viveu esta mesma situação e que hoje, sem saber porquê, descobriu este blog e esta mensagem. Aí está você chorando e ouvindo a voz de Deus. O remédio eficaz para sua dor não se vende na farmácia. Seu preço é muito caro, ninguém pode pagar. Mas ele pode ser comprado com 100% de desconto direto da fonte. Aceite Jesus e receba hoje mesmo o perdão e forças para perdoar. Volte para Jesus ainda hoje, e Ele fará cair as algemas da amargura que prendem seu coração a um passado infeliz.

Os abusos devem ser denunciados às autoridades. As consequências dos abusos, por outro lado, devem ser perdoadas. Para que fique bem claro o que tenho a dizer.

Quero terminar dizendo que Jesus ama você; entregue sua vida aos cuidados dele. Só Jesus pode ensinar você a perdoar para ser livre. Com muito carinho e respeito pela sua decisão,


Irmão João Cruzué - Blog Olhar Cristão.


cruzue@gmail.com