quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

Três conselhos do Rei Davi

De pai para filho
João Cruzué

E, chegando os dias de sua morte, Davi chamou o Rei Salomão e deu-lhe alguns conselhos. Esta tomará três deles par nossa meditação. Esforça-te; sê homem; guarda e observa.

Esforça-te - esforço significa para mim: compromissos, planejamento e trabalho Compromissos com Deus, consigo mesmo, com a família, com a Igreja e com a comunidade. Uma escada com cinco degraus, onde no mais alto deve estar o Senhor. Planejamento para não perder tempo e energias nadando contra maré, ou como diz a sabedoria popular: "dando murros em ponta de faca". Planejar significa pensar, pesar os recursos, meditar no contexto das coisas - mas principalmente ouvir bons conselhos.

Há Conselhos e conselhos. Em meu local de trabalho vez por outra surgia uma situação difícil. Então, procurava conversar com meus auxiliares, separadamente. Fato interessante é que um conselho depende muito da capacidade de discernimento de quem ouve. Uma característica determinante para pesar se ele é bom ou ruim pode ser encontrada em Mateus 05:9. Ali diz que os pacificadores serão chamados Filhos de Deus. Por causa disso, dava mais atenção à palavra de meu auxiliar mais jovem. O mais velho aconselhava "chutar o pau da barraca" e o mais novo recomendava continuar o diálogo, ter um pouco mais de paciência. Por isso, fui bem sucedido na solução daqueles problemas.

O conhecimento suficiente para colocar os planos em prática, não será perfeito se vier apenas de uma cabeça. É muito bom ouvir a esposa, os amigos das horas difíceis, os pais, irmãos mais equilibrados. É muito conhecida a história dos cegos apalpando o elefante. De acordo com o que apalpavam, cada um tinha uma visão diferente. As coisas futuras também são como "elefantes". As vezes conhecemos uma parte, e ao ouvir a visão de outros, podemos ter uma imagem do futuro, bem mais clara no presente. As chances de uma plano dar certo sem ouvir conselhos são as mesmas de sair com uma vela acesa ao vento. Um detalhe curioso é que quanto maior é o sucesso que alguém alcança, mais difícil será sua capacidade de querer ouvir conselhos. O Rei Davi era muito experiente na arte de se aconselhar. Sua humildade nisso, levou-o a ser o maior dos Reis de Israel.

Salomão, entretanto, parece que confiava na sua grande sabedoria, na fama e no sucesso de seus negócios. Se ele possuia conselheiros, creio que não os ouvia. É muito difícil conservar uma atitude humilde diante do sucesso.

Ouvir para planejar melhor, e esforçar sobre os melhores planos. É um suor que vai valer a pena.

O segundo conselho que Davi deu para Salomão foi: Sê Homem! Isso tem a ver com um espírito de coragem. Não guardo muitos versículos na mente, mas de II Timóteo 1:7 não me esqueço: "Porque Deus não nos deu o espírito de temor, mais de fortaleza, e de amor, e de equilíbrio." De todos meus colegas de trabalho, no Hospital, não me esqueço do Ricardo Santos.
Qualquer que fosse a dificuldade do problema ele nunca dizia uma palavra desanimadora. Havia coisas impossíveis, mas nós nunca o víamos mostrar-se frouxo.

Alguém já disse com muito acerto que para conseguir as coisas impossíveis que estão no futuro, basta fazer o possível de cada dia.

Esforçar-se com coragem, amor e moderação.

E para concluir, o terceiro conselho de Davi para o Rei Salomão foi - Guarda no coração os mandamentos do Senhor e os pratique para que prosperes em tudo quanto fizeres, e onde quer que estiveres. Como o modo dos verbos estão no subjuntivo, neste conselho estava implicito o livre arbítrio de Salomão, ou seja, obedecer ou deixar de obedecer. Os três conselhos foram dados por um pai, homem experiente, ungido de Deus e fiel.

De nada adiantou a sabedoria de Salomão, pois não tinha ouvidos para ouvir.


Meditação em IReis 2:1-3.

olharcristao.blogspot.com




Postado por Joao Cruzue

sábado, 27 de novembro de 2010

A Bíblia de Myanmar: tradução de Adoniram Judson:




Prêmio Nobel da Paz 1991
João Cruzué

Hoje 13 de novembro de 2010, Aung San Suu Kyi a principal oposicionista do regime birmanês foi liberta da prisão. Ela passou 16 anos na prisão pública ou domiciliar nesses últimos 21 anos. Em 1991 ela foi agraciada com o Prêmio Novel da paz. Myanmar ou Burma - como o país é conhecido no mundo é governada por tiranos de uma junta militar.

No Ano passado um ciclone devastou o país. Na oportunidade troquei alguns emais com um irmã da Igreja Batista de Myanmar.

Todavia o assunto principal deste post não é a Senhora Suu Kyi, mas o Missionário americano Adoniram Judson, que traduziu a Bíblia para a língua birmanesa no século XVIII. O que me atrai na biografia de Judson, é que ele levou cinco anos para ganhar a primeira alma para Jesus naquele país; nove anos de trabalho para batizar 18 almas.

Imagino que deva ter morrido pensando que seu trabalho foi um culto ao fracasso. Se ele fosse pastor nos dias de hoje, de certas igrejas "neopentecostais" teria sido demitido em menos de seis meses por falta de resultados.

Resultados? Hoje há mais de dois milhões de almas convertidas a Cristo naquele país. Sabe qual a tradução da Bíblia que eles usam? a de Adoniram Judson. Verdeiramente o semeador semea as sementes da esperança regando com as próprias lágrimas, para que, um dia, o ceifeiro colha os frutos com alegria às vezes pensando que foi por seu esforço pessoal. Lembrando Martin Luther King: "Longe nas brumas da eternidade, os olhos do Senhor estão atentos e a tudo observa."


O TRABALHO DE JUDSON



Ev Joao
Evangelho de João, capítulo 1: 01-13
A Bíblia Judson para Myanmar

A tradução da Bíblia Sagrada para a língua birmanesa foi uma das grandes contribuições que o Missionário batista, americano, Adoniram Judson deu para a obra missionária em Myanmar no século 18.

Veja a beleza dos caracteres do idioma de Burma e perceba o enorme esforço de missões através de milhares de horas de estudos, pesquisas e horas de sono. Um projeto de 20 anos que teve começo, meio e fim, pois sempre esteve debaixo da graça do Senhor.

O primeiro convertido veio somente depois de sete anos de evangelização. Depois de nove anos de trabalho batizaram apenas 18 almas. O custo cobrado foi altíssimo: três filhos e a esposa mortos, prisões em condições subumanas. Mas veio um tempo em que seu esforço foi recompensado.

Por ocasião de um festividade budista no Pagode Dourado de Rangoon, distribuiu quase 10 mil folhetos apenas aos que lhe PEDIRAM. Algumas pessoas viajaram cerca de três meses, desde as fronteiras da China, atrás de uma Escritura porque souberam que existia um inferno eterno e queriam fugir dele. Quando Adoniram Judson presenciou aqueles dias, eu sei que ele chorou. Chorou de contentamento porque valeu a pena o esforço e o sacrifício de cada dia dos 20 anos de seu trabalho.

Em tempos de tantos crentes e de tantos projetos, uma questão sempre vem para análise: é certo que os planos de Deus existem para serem colocados em prática pelos discípulos de Cristo; como seria bom se cada um soubesse o que, como, onde e quando agir.

Considerando que o saber é de acúmulo coletivo creio que uma de nossas maiores fraquezas está na falta de diálogo melhor com as pessoas que nos cercam, pois Deus fala conosco através delas. Assim não perderíamos tempos com o secundário não nos empenharíamos esforços em portas fechadas nem desistiríamos ante à primeira derrota.

Eu sei que Deus procura os fiéis da terra: homens e mulheres; jovens e velhos; estaremos nós dispostos a esperar em oração o tempo necessário para ouvir a Sua voz e dar um passo de cada vez sem escorregar nas cascas de bananas do diabo ou tropeçar nas pedras espalhadas pela nossa própria presunção?

Precisamos investir mais de tempo para ler e meditar mais sobre a vida de dois homens simples que causaram grandes estragos na "horta" do diabo: na Índia por William Carey e na Birmânia ( Myanmar) por Adoniram Judson.


Se você lê inglês, as melhores informações sobre Burma estão aqui: bgm

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

IMPORTANTE: LIBERDADE SOB ATAQUE. MANIFESTO EM DEFESA DA LIBERDADE RELIGIOSA NO BRASIL

A REPRODUÇÃO DESTE TEXTO É LIVRE E PERMITIDA PELOS AUTORES, DESDE QUE EM SUA INTEGRALIDADE E CITADAS AS FONTES.


UNIVERSIDADE MACKENZIE: EM DEFESA DA LIBERDADE DE EXPRESSÃO RELIGIOSA


A Universidade Presbiteriana Mackenzie vem recebendo ataques e críticas por um texto alegadamente “homofóbico” veiculado em seu site desde 2007. Nós, de várias denominações cristãs, vimos prestar solidariedade à instituição. Nós nos levantamos contra o uso indiscriminado do termo “homofobia”, que pretende aplicar-se tanto a assassinos, agressores e discriminadores de homossexuais quanto a líderes religiosos cristãos que, à luz da Escritura Sagrada, consideram a homossexualidade um pecado. Ora, nossa liberdade de consciência e de expressão não nos pode ser negada, nem confundida com violência. Consideramos que mencionar pecados para chamar os homens a um arrependimento voluntário é parte integrante do anúncio do Evangelho de Jesus Cristo. Nenhum discurso de ódio pode se calcar na pregação do amor e da graça de Deus.

Como cristãos, temos o mandato bíblico de oferecer o Evangelho da salvação a todas as pessoas. Jesus Cristo morreu para salvar e reconciliar o ser humano com Deus. Cremos, de acordo com as Escrituras, que “todos pecaram e carecem da glória de Deus” (Romanos 3.23). Somos pecadores, todos nós. Não existe uma divisão entre “pecadores” e “não-pecadores”. A Bíblia apresenta longas listas de pecado e informa que sem o perdão de Deus o homem está perdido e condenado. Sabemos que são pecado: “prostituição, impureza, lascívia, idolatria, feitiçaria, inimizades, contendas, rivalidades, iras, pelejas, dissensões, heresias, invejas, homicídios, bebedices, glutonarias” (Gálatas 5.19). Em sua interpretação tradicional e histórica, as Escrituras judaico-cristãs tratam da conduta homossexual como um pecado, como demonstram os textos de Levítico 18.22, 1Coríntios 6.9-10, Romanos 1.18-32, entre outros. Se queremos o arrependimento e a conversão do perdido, precisamos nomear também esse pecado. Não desejamos mudança de comportamento por força de lei, mas sim, a conversão do coração. E a conversão do coração não passa por pressão externa, mas pela ação graciosa e persuasiva do Espírito Santo de Deus, que, como ensinou o Senhor Jesus Cristo, convence “do pecado, da justiça e do juízo” (João 16.8).

Queremos assim nos certificar de que a eventual aprovação de leis chamadas anti-homofobia não nos impedirá de estender esse convite livremente a todos, um convite que também pode ser recusado. Não somos a favor de nenhum tipo de lei que proíba a conduta homossexual; da mesma forma, somos contrários a qualquer lei que atente contra um princípio caro à sociedade brasileira: a liberdade de consciência. A Constituição Federal (artigo 5º) assegura que “todos são iguais perante a lei”, “estipula ser inviolável a liberdade de consciência e de crença” e “estipula que ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política”. Também nos opomos a qualquer força exterior – intimidação, ameaças, agressões verbais e físicas – que vise à mudança de mentalidades. Não aceitamos que a criminalização da opinião seja um instrumento válido para transformações sociais, pois, além de inconstitucional, fomenta uma indesejável onda de autoritarismo, ferindo as bases da democracia. Assim como não buscamos reprimir a conduta homossexual por esses meios coercivos, não queremos que os mesmos meios sejam utilizados para que deixemos de pregar o que cremos. Queremos manter nossa liberdade de anunciar o arrependimento e o perdão de Deus publicamente. Queremos sustentar nosso direito de abrir instituições de ensino confessionais, que reflitam a cosmovisão cristã. Queremos garantir que a comunidade religiosa possa exprimir-se sobre todos os assuntos importantes para a sociedade.

Manifestamos, portanto, nosso total apoio ao pronunciamento da Igreja Presbiteriana do Brasil publicado no ano de 2007 e reproduzido parcialmente, também em 2007, no site da Universidade Presbiteriana Mackenzie, por seu chanceler, Reverendo Dr. Augustus Nicodemus Gomes Lopes. Se ativistas homossexuais pretendem criminalizar a postura da Universidade Presbiteriana Mackenzie, devem se preparar para confrontar igualmente a Igreja Presbiteriana do Brasil, as igrejas evangélicas de todo o país, a Igreja Católica Apostólica Romana, a Congregação Judaica do Brasil e, em última instância, censurar as próprias Escrituras judaico-cristãs. Indivíduos, grupos religiosos e instituições têm o direito garantido por lei de expressar sua confessionalidade e sua consciência sujeitas à Palavra de Deus. Postamo-nos firmemente para que essa liberdade não nos seja tirada.

Este manifesto é uma criação coletiva com vistas a representar o pensamento cristão brasileiro.

Portal da Igreja Presbiteriana do Brasil
Fonte: pointrhema.blogspot.com

IPB manifesta-se a respeito das leis sobre o aborto e a homofobia


09.05.2007 11:07

Presidente do Supremo Concílio, rev. Roberto Brasileiro publica artigo com a posição da denominação frente a assuntos que estão mobilizando o país

Na qualidade de Presidente do Supremo Concílio da Igreja Presbiteriana do Brasil, diante do momento atual em que as forças organizadas da sociedade manifestam sua preocupação com a possibilidade da aprovação de leis que venham labutar contra a santidade da vida e a cercear a liberdade constitucional de expressão das igrejas brasileiras de todas as orientações, venho a público me MANIFESTAR quanto à prática do aborto e a criminalização da homofobia.


I – Quanto à prática do aborto, a Igreja Presbiteriana do Brasil reconhece que muitos problemas são causados pela prática clandestina de abortos, causando a morte de muitas mulheres jovens e adultas. Todavia, entende que a legalização do aborto não solucionará o problema, pois o mesmo é causado basicamente pela falta de educação adequada na área sexual, a exploração do turismo sexual, a falta de controle da natalidade, a banalização da vida, a decadência dos valores morais e a desvalorização do casamento e da família.


Visto que: (1) Deus é o Criador de todas as coisas e, como tal, somente Ele tem direito sobre as nossas vidas; (2) ao ser formado o ovo (novo ser), este já está com todos os caracteres de um ser humano e que existem diferenças marcantes entre a mulher e o feto; (3) os direitos da mulher não podem ser exercidos em detrimento dos direitos do novo ser; (4) o nascituro tem direitos assegurados pela Lei Civil brasileira e sua morte não irá corrigir os males já causados no estupro e nem solucionará a maternidade ilegítima.
Por sua doutrina, regra de fé e prática, a Igreja Presbiteriana do Brasil MANIFESTA-SE contra a legalização do aborto, com exceção do aborto terapêutico, quando não houver outro meio de salvar a vida da gestante.


II – Quanto à chamada Lei da Homofobia, que parte do princípio que toda manifestação contrária à homossexualidade é homofóbica e caracteriza como crime essas manifestações, a Igreja Presbiteriana do Brasil repudia a caracterização da expressão do ensino bíblico sobre a homossexualidade como sendo homofobia, ao mesmo tempo em que repudia qualquer forma de violência contra o ser humano criado à imagem de Deus, o que inclui homossexuais e quaisquer outros cidadãos.


Visto que: (1) a promulgação da nossa Carta Magna, em 1988, já previa direitos e garantias individuais para todos os cidadãos brasileiros; (2) as medidas legais que surgiram visando beneficiar homossexuais, como o reconhecimento da sua união estável, a adoção por homossexuais, o direito patrimonial e a previsão de benefícios por parte do INSS foram tomadas buscando resolver casos concretos sem, contudo, observar o interesse público, o bem comum e a legislação pátria vigente; (3) a liberdade religiosa assegura a todo cidadão brasileiro a exposição de sua fé sem a interferência do Estado, sendo a este vedada a interferência nas formas de culto, na subvenção de quaisquer cultos e ainda na própria opção pela inexistência de fé e culto; (4) a liberdade de expressão, como direito individual e coletivo, corrobora com a mãe das liberdades, a liberdade de consciência, mantendo o Estado eqüidistante das manifestações cúlticas em todas as culturas e expressões religiosas do nosso País; (5) as Escrituras Sagradas, sobre as quais a Igreja Presbiteriana do Brasil firma suas crenças e práticas, ensinam que Deus criou a humanidade com uma diferenciação sexual (homem e mulher) e com propósitos heterossexuais específicos que envolvem o casamento, a unidade sexual e a procriação; e que Jesus Cristo ratificou esse entendimento ao dizer, “(...). desde o princípio da criação, Deus os fez homem e mulher” (Marcos 10.6); e que os apóstolos de Cristo entendiam que a prática homossexual era pecaminosa e contrária aos planos originais de Deus (Romanos 1.24-27; 1 Coríntios 6.9-11).


Ante ao exposto, por sua doutrina, regra de fé e prática, a Igreja Presbiteriana do Brasil MANIFESTA-SE CONTRA a aprovação da chamada Lei da Homofobia, por entender que ensinar e pregar contra a prática da homossexualidade não é homofobia, por entender que uma lei dessa natureza maximiza direitos a um determinado grupo de cidadãos, ao mesmo tempo em que minimiza, atrofia e falece direitos e princípios já determinados principalmente pela Carta Magna e pela Declaração Universal de Direitos Humanos; e por entender que tal lei interfere diretamente na liberdade e na missão das igrejas de todas as orientações de falarem, pregarem e ensinarem sobre a conduta e o comportamento ético de todos, inclusive dos homossexuais.


Portanto, a Igreja Presbiteriana do Brasil não pode abrir mão do seu legítimo direito de expressar-se, em público e em privado, sobre todo e qualquer comportamento humano, no cumprimento de sua missão de anunciar o Evangelho, conclamando a todos ao arrependimento e à fé em Jesus Cristo.


Patrocínio, Minas Gerais, abril de 2007 AD.


Rev. Roberto Brasileiro
Presidente do Supremo Concílio da Igreja Presbiteriana do Brasil

Fonte: ipb.org.br

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

Contrarreforma - um dos maiores genocídios século XVII


Lista de Livros proibidos



Stephanie & Daniel Dañeiluk

Tradução: João Cruzué

Depois de cinquenta anos a Reforma já se havia consolidado na maior parte do território europeu. Quase toda Alemanha, Suíça, Escandinávia, Holanda, Inglaterra, Escócia, Bohemia, Áustria, Hungria e parte da França estavam embebidas do protestantismo. Esta situação, em extremo grave para a Igreja de Roma, fazia escorrer pelos dedos mais de 1000 anos de dominação, precisava ter uma resposta na medida.

Em 1540, Ignácio de Loyola foi encarregado de criar uma força especial contrarreformista. Nascia ali a Companhia de Jesus, cujos integrantes se tornaram conhecidos por jesuitas. Seus membros, cuidadosamente escolhidos e aprovados, que além de guardar os votos usuais da vida religiosa (obediência, pobreza e castidade), deviam jurar especial fidelidade à Santa Sé, para estarem dispostos a ir aonde o Papa os enviasse e realizar qualquer coisa para alcançar o objetivo definido.

A Companhia de Jesus cumpriu seus objetivos com malévola eficiência. Esta organização paramilitar, apelando para atividades de espionagem, subornos, sequestros, torturas, assassinatos e todo tipo de maldade imaginável, operou com total impunidade em prol da destruição da Reforma, sobretudo a partir do aval outorgado pelo Concílio de Trento (1545-1563).

Os jesuítas, junto com a Inquisição e os exércitos de reis leais a Roma, principalmente os da Casa de Habsburgo, constituíram o tridente que atacaria a Reforma.

Se a Reforma se caracterizou por aproximar o povo e seus líderes da valorização do homem, da liberdade, do progresso e da tolerância, apesar do dissenso; sendo suas principais armas as palavras e as letras, e pelo uso da espada (salvo exceções) em legítima defesa, a Contrarreforma se caracterizou por um objetivo: a aniquilação sistemática das pessoas suspeitas de serem partidárias dos protestantes.

O resultado da Contrarreforma foi o genocídio dos maiores de todos os tempos. Os católicos retomaram o controle do sul da Alemanha, Bohemia, Austria, Hungría, Polonia e Bélgica, e se consolidaram definitivamente nos países meridionais como Portugal, Espanha e Itália.

E como prova disso falta apenas estes dados: No início do século XVII (1601) os protestantes constituiam cerca de 80% da população da Bohemia, estimada em 4 milhões de habitantes. Depois das operações da contrarreforma ficaram apenas 800 mil. Todas católicas"


Blog El Ojo Protestante
Buenos Aires - Argentinahttp://www.blogger.com/img/blankhttp://www.blogger.com/img/blank.gif.gif
http://www.blogger.com/img/blank.gif


Comentário: Lutero, ao meu ver, não era protestante quando liderou a Reforma. Era um zeloso professor católico preocupado com as heresias praticadas pelo Clero romano. Depois da Dieta de Worms a mudança se concretizou de fato.


Fonte:olharcristao.blogspot.com
Imagem:historiaebiblia.blogspot.com

domingo, 17 de outubro de 2010

Carta de Dilma aos evangélicos, leia a opinião do Pr Carlos Roberto Silva




Leia a íntegra da carta de Dilma:
Dirijo-me mais uma vez a vocês, com o carinho e o respeito que merecem os que
sonham com um Brasil cada vez mais perto da premissa do Evangelho de desejar ao próximo o que queremos para nós mesmos. É com esta convicção que resolvi pôr um fim definitivo à campanha de calúnias e boatos espalhados por meus adversários eleitorais. Para não permitir que prevaleça a mentira como arma em busca de votos, em nome da verdade quero reafirmar:
1. Defendo a convivência entre as diferentes religiões e a liberdade religiosa,
assegurada pela Constituição Federal;
2. Sou pessoalmente contra o aborto e defendo a manutenção da legislação atual sobre o assunto;
3. Eleita presidente da República, não tomarei a iniciativa de propor alterações de pontos que tratem da legislação do aborto e de outros temas concernentes à família e à livre expressão de qualquer religião no País.
4. O PNDH3 é uma ampla carta de intenções, que incorporou itens do programa anterior. Está sendo revisto e, se eleita, não pretendo promover nenhuma iniciativa que afronte a família;
5. Com relação ao PLC 122, caso aprovado no Senado, onde tramita atualmente, será sancionado em meu futuro governo nos artigos que não violem a liberdade de crença, culto e expressão e demais garantias constitucionais individuais existentes no Brasil;
6. Se Deus quiser e o povo brasileiro me der, a oportunidade de presidir o País, pretendo editar leis e desenvolver programas que tenham a família como foco principal, a exemplo do Bolsa Família, Minha Casa, Minha Vida e tantos outros que resgatam a cidadania e a dignidade humana.
Com estes esclarecimentos, espero contar com vocês para deter a sórdida campanha de calúnias contra mim orquestrada. Não podemos permitir que a mentira se converta em fonte de benefícios eleitorais para aqueles que não têm escrúpulos de manipular a fé e a religião tão respeitada por todos nós. Minha campanha é pela vida, pela paz, pela justiça social, pelo respeito, pela prosperidade e pela convivência entre todas as pessoas.
Dilma Rousseff



Minha observação (Pastor Carlos Roberto)
Lamento que tal mensagem tenha sido tardiamente divulgada, e que não é verdade que aconteceram boatos, calúnias e difamações.
Pelo menos aqui na blogosfera, todos os registros aconteceram com vídeos, áudios e links, portanto com as devidas provas.
O compromisso nessa carta registrado. é fruto da forte pressão por parte dos líderes evangélicos que assumiram seus compromissos e com a realidade dos fatos, viram sua credibilidade afetada diante do seu próprio rebanho.

Aconteceu também pelo inesperado segundo turno, pelo empate técnico que se verifica nas pesquisas atuais e pelo temor de uma possível surpresa no resultados de 31 de outubro.
A conscientização que resultou na mudança de resultado do primeiro turno das eleições, não partiu das lideranças, mas da base, não veio de cima para baixo, mas o contrário.
Acredite agora nesse compromisso quem quiser, eu não!
Postado por Pr. Carlos Roberto

Fonte: pointrhema.blogspot.com

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

Serra defende união homossexual. Hipocrisia? Calhordice?




Quero dizer a todos os visitantes que Serra e Dilma não são meus candidatos. A minha candidata foi derrotada no 1º turno (Marina Silva). Coloco esse texto apenas para informação de todos. Leia e depois tire suas próprias conclusões.

Serra defende união homossexual durante a Parada Gay de SP

Governador afirma que projeto que vai propiciar união estável entre pessoas do mesmo sexo "está andando"

Em um encontro com líderes das comunidades homossexuais e com os organizadores da maior manifestação gay do mundo, Serra afirmou que é “propício” à união estável entre pessoas do mesmo sexo e adiantou: “Temos um projeto sobre isso, está realmente andando porque o apoiamos”.

Os ativistas pediram ao político do PSDB um respaldo para que o Senado aprove a lei que tipifica a homofobia como crime e que já foi aprovada em primeira instância pela Câmara dos Deputados.

Alguns senadores fazem objeções aos artigos que proíbem pastores, sacerdotes e líderes religiosos a condenar o homossexualismo em programas de rádio e televisão, além da normativa judicial contra a discriminação homossexual em manifestações públicas.

A organização do evento previa a participação de 3,5 milhões de pessoas, mas fontes da Polícia Militar (PM) indicaram extraoficialmente que o número chegou a cerca de três milhões de pessoas.

A caminhada começou na Avenida Paulista em frente ao Museu de Artes de São Paulo (Masp) e terminou na praça Roosevelt com um ato que terminou oito horas depois do grande desfile, o qual contou com 20 trios elétricos e milhares de pessoas, em sua maioria disfarçadas.

A parada necessitou de resguardo terrestre e aéreo de 1.200 policiais, 900 banheiros públicos, 140 postos de primeiros socorros e 16 ambulâncias.

A cidade recebeu no fim de semana cerca de 400 mil turistas, 5% deles estrangeiros, e que deixaram para os cofres do setor cerca de R$ 200 milhões, segundo dados da SPTuris.

O tema da edição deste ano foi “Sem Homofobia, Mais Cidadania Pela Isonomia dos Direitos!” e homenageou os 30 anos do movimento homossexual no Brasil, que já ganhou o reconhecimento patrimonial e direitos de previdência social para cônjuges do mesmo sexo, entre outras reivindicações.

Fonte: conversaafiada.com.br
Fonte:pastorflavioconstantino.blogspot.com

domingo, 10 de outubro de 2010

Apoio de lideranças evangélicas ao Programa de Governo Lula




João Cruzué

Vejo como muita tristeza a posição do bispo e de outros cristãos que fazem coro com o Partido de Trabalhadores, notoriamente fechado com as causas liberais que afrontam as Igrejas Evangélica e Católica.

Não consigo entender como esses líderes, que já ganharam tantas almas e foram uma bênção no passado, se apequenaram e perderam a paixão exclusiva pela obra do Senhor, abandonando o arado ministerial, a rede dos pescadores de homens, para se apaixonarem por causas nanicas menos nobres.

Então, para que todos saibam, quando eles emprestam apoio irrestrito ao atual governo, também estão de acordo com com seu probrama de governo. Destaquei um pequeno texto para que o leitor deste blog faça seu próprio julgamento.

Recorte do Programa de Governo do Presidente Lula para o perído 2007 - 2010

Pdf. página 32/34:

"Cidadania GLBT

• Desenvolver e aprofundar as ações de combate à discriminação e promoção da cidadania GLBT (gays, lésbicas, bissexuais, travestis e transexuais), nos marcos do programa Brasil sem Homofobia, que será ampliado e fortalecido.

• Desenvolver políticas afirmativas e de promoção de uma cultura de respeito à diversidade sexual, favorecendo a visibilidade e o reconhecimento social.

• Incentivar a participação, realizando a I Conferência Nacional de Políticas para os GLBT."

Fonte: www.pt. org - plano de governo

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

Pr. Silas Malafaia publica manifesto nos principais jornais do país





Inconformado com movimentos que tentam impedir a liberdade de imprensa, o pastor Silas Malafaia publica um manifesto nos principais jornais do Brasil nesta sexta-feira, 24 de setembro. Confira abaixo o texto na íntegra:


"MANIFESTO À NAÇÃO BRASILEIRA
Os evangélicos e a liberdade de imprensa


O povo evangélico, nos últimos vinte anos, tem sido alvo de incompreensões, calúnias,
discriminações e preconceitos em várias reportagens, tanto por jornais e revistas quanto por
rádio e televisão e até mesmo pela internet.

A conclusão que muitos poderiam chegar é que nós seríamos os maiores interessados no
cerceamento da liberdade de imprensa e seu patrulhamento pelos órgãos governamentais.
ABSOLUTAMENTE NÃO! MIL VEZES NÃO!

Eu mesmo já sofri muito com o que acabei de relatar acima. Mas nem assim, tão sujeito a
ser caluniado, difamado ou incompreendido por meus atos e pelos princípios que defendo,
posso concordar com qualquer movimento que venha impedir a LIBERDADE DA
IMPRENSA.

A imprensa livre é fundamental para a manutenção do Estado Democrático de Direito.
Só aqueles que querem sustentar ideologias ultrapassadas e antidemocráticas desejam
exercer patrulhamento ideológico, cercear garantias individuais da cidadania e tentar
colocar mordaça na imprensa.

Dentro de poucos dias, vamos ter direito a um dos atos mais importantes como cidadãos:
VOTAR e escolher os nossos representantes em Brasília e em nossos Estados.

Não podemos errar. Precisamos saber, com muita clareza, em quem votar, analisando os
princípios defendidos pelos que pleiteiam cargos eletivos. E os órgãos de imprensa são
importantíssimos para ajudar em nossas análises e decisões. E isto só é possível com uma
imprensa livre e isenta.

Nem o Presidente da República, partidos políticos, líderes religiosos, qualquer segmento da
sociedade ou mesmo a imprensa são, isoladamente, os donos da opinião pública.

No dicionário Houaiss, há uma definição exemplar do que é opinião pública: “É o acordo da
totalidade, ou grande maioria, das opiniões de uma coletividade sobre questões de interesse
geral”.

Não tenho autoridade para falar em nome de todos os evangélicos do Brasil que representam
aproximadamente 25% da população, mas tenho absoluta convicção de que a quase
totalidade é a favor de um ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO e, para isto, é
inconcebível ao nosso país não ter uma IMPRENSA LIVRE.

Pr. Silas Malafaia
Associação Vitória em Cristo

sábado, 18 de setembro de 2010

Que sinismo; Fatima Cleide / PT - RO, Agora quer dar uma de boazinha no Senado





Amigos é sinismo demais! Fátima Cleide PT- RO, que é relatora do PLC 122/06, fez discurso no dia 02/09/2010, querendo passar papa na boca do Brasil, em especial Rondônia  sabendo que as pesquisas não lhe mostra bem na fita vem com falacias tentando ludibriar a opinião pública.

Abaixo o discurso dela e o espaço entre parenteses é meu comentário.


Senadora Fátima Cleide PT/ RO

A SRª FÁTIMA CLEIDE (Bloco/PT RO. Pronuncia o seguinte discurso. Sem revisão da oradora.) Sr. Presidente, Srs. Senadores, também no cumprimento do meu dever, venho nesta tarde fazer um pronunciamento sobre uma situação que ocorre durante esta campanha de 2010 no meu Estado, Rondônia.

Sr. Presidente, a luta em defesa dos direitos humanos é por si só a demonstração de que a humanidade toma consciência de sua condição e coloca o ser humano como elemento principal do estado e da sociedade.

São muitos os que caíram nessa luta ao enfrentarem os interesses que se colocam acima da humanidade. E eu estou ao lado daqueles que não temeram a luta em defesa dos direitos humanos. E cito Martin Luther King, Gandhi, Madre Teresa de Calcutá, entre outros.

Vimos por todo o mundo, Sr. Presidente, o grito dos oprimidos que, independentemente de raça, cultura ou nação, anseiam pelo respeito a seus direitos fundamentais previstos na Declaração Universal dos Direitos Humanos.

Um exemplo é o caso de Sakineh Ashtiani, de 42 anos, que pela aplicação da lei islâmica pode ser, a qualquer momento, enterrada até o pescoço e apedrejada até a morte, em razão de ter sido condenada por adultério. O caso de Sakineh nos aterroriza e nos faz reafirmar a importância, Sr. Presidente, de um Estado laico. O fundamentalismo religioso é uma das piores formas de intolerância, por traduzir a visão de que os conceitos são absolutos e atemporais.



( Aqui venho fazer intervenção, pois sou contra todo e qualquer tipo de radicalismo, seja ele religioso ou não, O que acontece no Irã com a Sakineh Ashtiani, é um exemplo de radicalismo da esquerda! religiosa ou não é da esquerda radical.)


Senadora Fátima Cleide PT/ RO
Sou católica poderia dizer, apostólica romana, mas busco separar minha atuação política da minha ética pessoal religiosa, construída pelos ensinamentos da Igreja, embora a luta pelos direitos humanos tenha como base aquilo que aprendi na minha prática religiosa.


(O que Dona Fatima? Você não é Católica, tá mais pra Caótica. Alguém viu o papa, algum bispo, ou padre vir defender este tal PLC 122/06?, nem eu vi tambem.)



Senadora Fátima Cleide PT/ RO

Entendo com clareza que a garantia da liberdade religiosa e da liberdade de expressão em um país rico em diversidade, composto de pessoas de várias origens e de crenças e práticas religiosas diferentes, só é possível com o Estado laico.



(É verdade o Estado é Laico mas não pode ser Laicista!, A separação do Estado e Religião é fundamental, cada um cuida de seus problemas em suas alçadas )


Senadora Fátima Cleide PT/ RO

Pois o pensamento fundamentalista que hoje estabelece as leis de alguns países islâmicos, infelizmente, é utilizado como discurso político em nosso País. Circula no meu Estado, em Rondônia, um panfleto que, de forma capciosa, utiliza o brasão da República e se identifica, dessa forma, como oriundo da Casa Civil. O referido panfleto apresenta o 3º Plano Nacional de Direitos Humanos, interpretando cada um de seus pontos de maneira absurdamente manipulada e desrespeitosa com qualquer princípio de direitos humanos.



( Eita, ela quer pregar peça no povo mesmo, todo mundo sabe que A ditadura religiosa nos países muçulmanos, em nada tem a ver com nosso Estado Laico, Este plano Nacional de Direitos Humanos é na verdade como diria Silas Malafaia " Direitos da vergonha".)



Senadora Fátima Cleide PT/ RO
Seria cômico, se não fosse trágico, espalharem-se pela população, ainda mais como se fosse um documento oficial, comentários tão disparatados assinado por uma autoridade religiosa, um certo pastor.
Trata-se, Sr. Presidente, de um atentado aos direitos humanos perpetrado de forma sórdida, com interesses meramente eleitoreiros. O autor presta um desserviço à população ao interpretar o Programa Nacional de Diretos Humanos e outras leis e projetos de leis, usando argumentos direcionados para induzir ao erro. Usa a sua autoridade religiosa para conclamar seus fiéis à intolerância religiosa e à agressão moral e física aos homossexuais, índios e negros.


( Ai a senadora vai longe demais, você viu algum pastor que prega contra o PLC 122/06, dizendo ao povo agredir algum gay? você quando discorda deste projeto está conclamando os fiéis a agressão moral aos indios ou negros?)




Senadora Fátima Cleide PT/ RO
Em sua ânsia por pregar o preconceito e a intolerância, ele fere vários dispositivos legais que vão desde usar indevidamente o brasão da República e o timbre da Presidência da República, até pregar o preconceito, a discriminação e a intolerância religiosa.
Sr. Presidente, Srªs e Srs. Senadores, a construção do Plano Nacional dos Direitos Humanos e das leis que tratam do tema é decorrente de um avanço histórico de toda a humanidade, não apenas do Brasil. São princípios que constam de documentos como a Carta das Nações Unidas, assinada pelo Brasil em 22 de outubro de 1945; a Declaração Universal dos Direitos Humanos, adotada e proclamada pela Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 e assinada pelo Brasil na mesma data; o Pacto Internacional dos Direitos Civis e políticos, de 1966, ratificado pelo Brasil em 24 de janeiro de 1992; o Pacto Internacional dos Direitos Econômicos, Sociais e Culturais, de 1966; a Convenção para a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra a Mulher, adotada pela Assembleia das Nações Unidas em 1979 e ratificada pelo Brasil em 1984; a Declaração e a Plataforma de Ação da III Conferência Mundial sobre Direitos Humanos em 1993; a Declaração e Plataforma de Ação da Conferência Internacional sobre População e Desenvolvimento, realizada no Cairo, em 1994; a Declaração e Plataforma de Ação da IV Conferência Mundial da Mulher, em 1995; a Declaração do Milênio das Nações Unidas, em 2000; a Declaração e o Programa de Ação da III Conferência Mundial contra o Racismo, Discriminação Racial, Xenofobia e Intolerância Correlata, realizada em Durban em 2001, entre tantos outros.

( É bom que se diga que nós cristãos não somos contra os direitos humanos, mas somos contra eles são desumanos, Este PNDH 3, ele fere a liberdade de imprensa, beneficia invasores de terra prejudicando os proprietários, etc.


Senadora Fátima Cleide PT/ RO
Sr. Presidente, como esse panfleto eu encontrei outro no domingo passado, outro que tinha também grampeado um santinho, um santinho de alguém que não é nada santinho e que prega contra os direitos humanos. O problema, Sr. Presidente, é que, ao entregar o santinho com o panfletinho, essas pessoas usam da boa-fé daqueles que creem para macular a minha imagem.


(Ei Dona Fátima não entendi, você diz em direitos humanos e julga alguém, julga aquele seu irmão? Ei nós pessoas de bom senso reprovamos este projeto de direitos humanos como ele está redigido, mas vamos em frente...)



Senadora Fátima Cleide PT/ RO Sr. Presidente, eu quero dizer, em primeiro lugar, que sou relatora do PLC nº 122, nesta Casa, desde o ano de 2007. Eu nunca fugi a um compromisso. Eu nunca fugi a uma responsabilidade. O que andam dizendo no meu Estado a respeito da minha pessoa por conta da minha relatoria neste projeto, V. Exª nem imagina! V. Exª sabe do esforço que fiz para construir consenso, inclusive apresentando um substitutivo na CAS, que já está aprovado na Comissão de Assuntos Sociais e que aguarda aprovação na Comissão de Direitos Humanos, Sr. Presidente, limpando tudo aquilo que era polêmico e colocando para além da polêmica o direito dos homossexuais neste País: direito à vida.



(Sim sabemos que você é relatora do tal PLC 122/06, e sabemos que vossa excelencia falta com a verdade quando diz : "Limpando tudo aquilo que era polêmico e colocando para além da polêmica o direito dos homossexuais neste País: direito à vida." , pois o texto do PLC 122/06 continua sendo prejudicial. Já sei que este esforço ou foi pouco ou melhor dizendo não existiu!)



Senadora Fátima Cleide PT/ RO
Nós estendemos o Senhor (Senador Augusto Botelho/ PT - RR) também votou naquele dia na CAS o direito da proteção contra a discriminação e o preconceito porque é disso que trata a criminalização da homofobia também para pessoas idosas, para pessoas com deficiência, para mulheres. É disso que nós estamos tratando no PLC 122, Sr. Presidente. No entanto, essas pessoas usam da boa-fé dos outros e se aproveitam do fato de que o meu Estado é um dos Estados mais evangélicos do Brasil. Para macular minha imagem, elas dizem que este projeto trata de casamento gay.



(Que é isto Dona Fatima? pelo amor de Deus, ninguém em são juízo vai ser contra o preconceito a mulher, idosos, deficientes. o PLC 122/06 ele não esta puro está maculado e a prova disso esta no “Art. 20. Praticar, induzir ou incitar a discriminação
ou preconceito de raça, cor, etnia,
religião, procedência nacional, gênero, sexo,
orientação sexual e identidade de gênero:
..............................................................
§ 5º O disposto neste artigo envolve a
prática de qualquer tipo de ação violenta, constrangedora,
intimidatória ou vexatória, de ordem
moral, ética, filosófica ou psicológica.” (NR). Isto você caro leitor não sabe isto proibe a simples opinião contrária, não é uma ofensa você será crimialisado por apenas descordar da prática homossexual!)




Senadora Fátima Cleide PT/ RO
Sr. Presidente, essa discussão não está no PLC nº122. Aliás, quero dizer ao povo de Rondônia, ao povo do Brasil, que não existe no Congresso Nacional brasileiro, nós ainda não avançamos para isto. A exemplo da Argentina recentemente, não existe em nenhuma das duas Casas do Congresso Nacional projeto que se relacione a casamento gay. O PLC nº 122, contra o qual há tanta gente e tanta gente boa se omite de expressar-se com relação a esse projeto , trata apenas da discriminação e do preconceito que sofrem milhões de pessoas neste País.


(Que coisa é essa ô Dona Fátima, Que conversa é essa que não tem nenhum projeto no congresso que se relacione com o Casamento Gay? e o PL 2285/ 2007? se este projeto do Deputado Sergio Barradas Carneiro / PT - BA, não tiver ligação não sei mais o que tem!, O que aconteceu na Argentina é um aviso para todos ter cuidado pois a esquerda Argentina levou a aprovação deste projeto diabólico no país irmão.)


Senadora Fátima Cleide PT/ RO

Portanto, Sr. Presidente, quero dizer para aqueles que ainda não me conhecem: sou uma mulher trabalhadora; venho da classe trabalhadora. Portanto, não enriqueci no Senado Federal. Sou trabalhadora em educação, beradeira do Rio Madeira. Não fujo à luta, e não fujo à luta principalmente quando ela diz respeito às questões de direitos humanos. Foi assim nesta Casa com relação à criança infratora; foi assim nesta Casa defendendo sempre creche para todas as crianças deste País e fiz isso inclusive quando defendi, contra a vontade de muitos do Governo, a emenda dos 50% do fundo social do pré-sal para a educação. Meu olhar está voltado para as crianças que ainda não nasceram e que vão precisar de creche. Foi assim, Sr. Presidente, quando, inúmeras vezes, defendi índios deste País. Foi assim, Sr. Presidente, nesta Casa e em toda a minha vida quando defendo os direitos da população negra, quando defendo os direitos da mulher brasileira, esteja ela onde estiver, seja no campo ou na cidade.



(Legal isto é bom é trabalhadora e tal, ninguém aqui quer falar de algo bom como foi a proposta dela quanto ao pré-sal, ou propostas para crianças e creches indios.Queremos sim é não ser passados a 2ª classe por grupo nenhum!)


Senadora Fátima Cleide PT/ RO


E quero dizer, Sr. Presidente, àqueles que pregam que a Senadora Fátima é o demônio em pessoa, quero dizer a eles e à população do meu Estado que não fujo da minha história, eu não nego a minha história. Pelo contrário, eu acredito que a minha história dará orgulho aos meus descendentes. E eu já os tenho: tenho três filhos, sou casada e tenho dois netos, Sr. Presidente. Tenho, graças a Deus, uma família estruturada e feliz. Mas não preciso ficar expondo a minha família para justificar que tenho família. Mas, assim como aqueles que defendo, eu não nasci de chocadeira, eu tenho família.



(Não ouvi ninguém chamar ela de demônio, no entanto não é nenhum exagero dizer que ela é serva do demônio.
Tenho cá minhas duvidas quanto ao que ela diz "que a minha história dará orgulho aos meus descendentes". Deus que me livre de minha mãe defender uma coisa dessas!)


Senadora Fátima Cleide PT/ RO


Estou, Sr. Presidente, nessas eleições, sofrendo na pele, mas muito feliz porque estou sofrendo na pele por aquilo que eu tenho combatido nesta Casa: o preconceito e a discriminação. Sofro o preconceito por ser mulher; sofro o preconceito por ser trabalhadora, mas me orgulho da minha história, porque eles não podem falar que eu tenha fugido da minha responsabilidade, que eu não tenha lutado pelo meu Estado.



(Hum então amigos olha isto leitores deste humilde blog, a Senadora Fátima Cleide está afirmando que tem uma responsabilidade quem será que deu esta responsabilidade? os radicais?, os aloprados?)


Senadora Fátima Cleide PT/ RO

Pelo contrário, fui a Parlamentar que mais mobilizou recursos para o Estado de Rondônia. Em sete anos, foram mais de R$900 milhões mobilizados pelo meu mandato, seja em emenda individual, seja em emenda de bancada, seja em projeto extraordinário, seja em obras estruturantes como as obras do PAC, que foram viabilizadas pela ação do meu mandato. São obras como os viadutos de Porto Velho, a construção das marginais da BR-364, as pontes da BR-319, da BR-364. Há pouco, eu estava no TCU, conversando com o Ministro José Múcio a respeito da ponte da BR-319.
Portanto, Sr. Presidente, eu me orgulho da minha história, porque na minha história, não há nenhuma investigação de CPI. Não me envolvi muito pelo contrário, como o senhor, eu estava era investigando em nenhum escândalo que eles possam dizer: Ela fez isso, ou fez aquilo outro. Como não têm isso para dizer, eles pegam justamente aquilo que para mim é uma virtude: lutar em defesa do direito humano de todas as pessoas, independente de que condição elas estejam, para macular minha imagem.
Agora, a única coisa que lamento e que me entristece é que infelizmente esse discurso reacionário, atrasado, que se utiliza da boa-fé das pessoas encontra, infelizmente, respaldo daqueles que não têm coragem de vir a público fazer a discussão comigo.



( Muito bem nada contra e creio que ninguém vai ser contra qualquer bom projeto de infraestrutura, etc.
Muito bem não ter nome envolvido em CPI, legal mas isso não é para ser um ato heróico é obrigação!).


Senadora Fátima Cleide PT/ RO

Sr. Presidente, por fim, eu queria dizer que procedimentos como esse, de distribuir panfletos atacando o Plano Nacional de Direitos Humanos e vinculando a minha defesa dos direitos humanos como se isso fosse uma coisa criminosa, são frutos da desinformação. Por isso, eu luto tanto, Sr. Presidente, pela melhoria da qualidade da educação oferecida no nosso País. Eu luto tanto para que todas as pessoas tenham acesso e a oportunidade de acessar a educação em meu País. Os esforços institucionais promovidos pelo Governo Federal, pela Secretaria de Defesa dos Direitos Humanos, pelo Ministério da Justiça e por tantos outros Ministérios neste País, não conseguem atingir, Sr. Presidente, todos e todas para divulgar seus direitos, os princípios culturais e sociais de uma nova sociedade, uma nova sociedade baseada na igualdade de direitos e oportunidades, na tolerância religiosa, no respeito aos direitos civis.


(É certo a luta pela educação, não é correto apoiar um plano que beneficia alguns em detrimento da maioria.)



Senadora Fátima Cleide PT/ RO

Como já disse, sou católica apostólica romana, e quero deixar para reflexão de todos e todas um texto sagrado, que me parece falar exatamente sobre o que é fundamental para além de todos os fundamentalismos. Trata-se do Evangelho segundo São Mateus, capítulo 22, versículo 34 ao 40, que diz:

E os fariseus, ouvindo que Ele fizera emudecer os saduceus, reuniram-se no mesmo lugar.
E um deles, doutor da lei, interrogou-o para o experimentar, dizendo: Mestre, qual é o grande Mandamento na Lei?
E Jesus disse-lhe: Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu pensamento. Este é o primeiro e grande Mandamento. E o segundo, semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo. Destes dois Mandamentos dependem toda a Lei e os profetas.
Era isso o que eu tinha a dizer, Sr. Presidente, ressaltando apenas que a minha prática na defesa dos direitos humanos se baseia nesses dois grandes e sagrados mandamentos.
Muito obrigada.


(Não, o que é isso excelência? pelo amor de Deus a senhora não é catolica a senhora é caótica, isso sim, e é cara de pau em falar em biblia, para que tentar mostrar aos cristãos que é cristã, pelo amor de Deus cara de pau tem limites!).

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

Pr. Paschoal Piragine Jr - AMEAÇADO pelo PT






Eis as garras do PT! Não tolera a liberdade de expressão; não tolera o contraditório; não tolera a oposição; não tolera a democracia; enfim, o PT não tolera o Cristianismo PROTESTANTE. Apenas o "cristianismo rebanho mudo"!

Sugiro que baixem o vídeo abaixo e o guardem. Pois não demorará muito para que o PT o mande tirar do Youtube!

_______________________


Em dez dias, quase 400 mil pessoas já assistiram ao vídeo da mensagem do Pr. Paschoal Piragine Jr expondo os perigos de se votar no PT. Veja o vídeo aqui: http://www.youtube.com/watch?v=ILwU5GhY9MI

Tudo o que ele faz é dizer o óbvio: O PT é um partido comprometido com o aborto e o homossesxualismo. Quem duvidar disso, olhe para Lula, que passou seus oito infames anos de governo lutando para impor o aborto e o homossexualismo no Brasil.
Revoltados e desesperados com o direito de livre expressão do Pr. Piragine, líderes do PT no Paraná, segundo reportagem da Rádio CBN do Paraná, querem processar o pastor. A reportagem completa em áudio está aqui: http://www.cbncuritiba.com.br/arquivo/download/1995-PastorPT-Marcio.wma
Acho que os cristãos no Brasil estão acovardados. Em nosso nariz, Lula e seu bando no governo defendem descaradamente o aborto e o homossexualismo, e nenhum líder católico ou evangélico os ameaça de processo. Pelo direito democrático, todos temos direito de processá-los, pois tanto Lula quanto seu bando estão desrespeitando a maioria esmagadora da população brasileira, que não tem nenhuma obsessão de ver o aborto e a sodomia legalizados. Se há obsessão nesse sentido, é só entre os socialistas.
Convido a todos os que lerem esta mensagem a apoiarem o direito de livre expressão do Pr. Paschoal Piragine e a processarem Lula e seu bando pelo infame programa federal “Brasil Sem Homofobia” e outras iniciativas do governo que desrespeitam o povo brasileiro.
É hora de agir!
Distribua amplamente esta mensagem aos seus amigos.

Fonte: Julio Severo

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

A escolha de Rebeca




João Cruzué

Outro dia à tarde, no intervalo do trabalho no Hospital, saí para caminhar um pouco e estive pensando sobre as experiências de Jacó, suas escolhas, tribulações e seu atrevimento em lutar contra o anjo de Deus em favor de sua família. Devo escrever sobre isto nos próximos dias, porque em meio aos meus pensamentos, antes de escrever sobre Jacó, achei conveniente analisar um pouco a vida desta mulher corajosa e de escolhas surpreendentes. E foi assim, que ao chegar em casa à noite, deixei de ver o "Jornal Nacional" para me dedicar à a este texto: A escolha de Rebeca.

Rebeca era esposa de Isaque; a mãe de Esaú e de Jacó. Uma mulher acostumada a tomar grandes decisões desde jovem. Ela não hesitava e sempre acertava em suas decisões. Em determinado momento, porém, quando aconselhou o filho mais novo a enganar e usurpar as bênçãos da primogenitura do irmão, seu conselho trouxe a cizânia, o ódio e ameaças de morte. A Rebeca decidida, que sempre acertava, agora estava em apuros ao ver sua casa açoitada pela "tempestade" por causa de uma bênção de primogenitura. Com um coração atribulado, apressado, ficou sem paz de espírito passando adiante de Deus. Ela e Deus estavam de acordo sobre Jacó, mas quanto ao conselho dado e a forma de obter a bênção pela fraude nada tinha de orientação de Deus.

Rebeca revela-nos seu caráter em sua primeira aparição na Bíblia. Ao tempo que Eliezer viajou para Harã, onde morava a parentela de seu senhor, ele foi preocupado. Em meio à dúvidas e incertezas, orou. Como poderia ter êxito na viagem em busca de uma esposa para o filho de seu senhor Abraão? E nem bem terminara a oração, quando uma jovem formosa subia da fonte trazendo um cântaro cheio. Mau humorada? Não! Atendeu um pedido impertinente. Preguiçosa? Não! Surpreendentemente, ofereceu-se para dar de beber também aos camelos. Medrosa? Não! Aceitou sair da segurança do lar paterno para viajar com um desconhecido rumo a uma terra distante. Indecisa? Não! Viajou para se casar com um moço que nunca antes vira. Rebeca era muito especial: ela era a resposta de Deus às orações de Abraão - o homem mais abençoado da terra.

Se Rebeca era resposta de oração, seu noivo precisava saber disso. E diz a Bíblia que Isaque saíra à tarde para orar no campo quando avistou a caravana que trazia sua noiva. Eles casaram-se. E esperaram 20 longos anos para terem os primeiros filhos. Um tempo longo demais. Isaque orou, e orou, e orou. Orou até que Deus respondesse e Rebeca ficasse grávida. Grávida, sim! De gêmeos. E eles se mexiam e lutavam dentro dela. Preocupada, ela orou: "Senhor o que significa isso?" E Ele lhe respondeu algo que nunca mais se esqueceu: "Duas nações há no teu ventre, e dois povos se dividirão nas tuas entranhas: um povo será mais forte do que o outro e o maior servirá ao MENOR. Jacó e Esaú.

Esaú cresceu e não tinha temor de Deus. E eis as provas: ele conhecia muito bem a história do casamento dos pais, no entanto, para desgosto deles, amasiou-se com duas mulheres ao mesmo tempo. E elas foram causa de amargura de espírito para Isaque e Rebeca. Esaú dava tão pouco valor ás coisas de Deus que certa vez aceitou negociar os direitos de sua primogenitura, as bênçãos de Deus, em troca de um prato de lentilha por causa de algumas horas de fome. Na sua hierarquia de valores Deus estava mesmo em último lugar.

Jacó, o irmão mais caçula, era diferente. Foi ele que propôs o negócio do prato de lentilhas em troca dos direitos da primogenitura: ele tinha interesse nas coisas de Deus. Acreditava nelas. Jacó esperou cerca de 70 anos para se casar. Não se prostituiu nem se amasiou. Jacó não vacilava. Até o dia em que fora avisado que a bênção da primogenitura iria mesmo para o irmão Esaú. O Esaú profano, incrédulo e mulherengo. Diante da injustiça ficou com um coração perturbado. Ao conselho da mãe, esqueceu-se, de que Deus estava no controle e agiu precipitadamente. Disfarçou-se e mentiu pelo menos três vezes

Por que Rebeca instruiu o filho mais novo a se disfarçar, enganar e usurpar a primogenitura de Esaú? A Bíblia diz que Isaque perdera a capacidade de enxergar. E sua cegueira não era apenas física - ele sabia das atitudes ímpias de Esaú mas fingia que não estava vendo nada. Não há uma linha sequer na Bíblia que registre qualquer repreensão de Isaque contra Esaú. Isaque amava Esaú pelas afinidades com a caça. Esaú era o filhinho do papai. Já Rebeca amava Jacó. Guardava em seu coração a profecia que Deus lhe dissera quando estava grávida: "Que o maior servirá o MENOR".

Era um lar dividido. Os pais e os filhos pensavam e julgavam coisas de maneiras diferentes. Rebeca fez o que fez porque temeu que Isaque orasse e abençoasse um filho que não merecia. O medo durante uma decisão difícil, significa que esta decisão tem tudo para dar errado. O que aconteceria se Jacó, num momento de franqueza falasse a verdade no ato da oração da bênção da primogenitura? Para esta pergunta não tenho resposta, mas Rebeca chamou para si a responsabilidade da maldição caso o logro fosse descoberto. Deus estava vendo tudo, e a conta foi paga por quem executou o logrou: Jacó.

Foi uma escolha muito difícil: levar o filho mais novo ao caminho do engano. Agir contra a decisão do esposo e causar prejuízo e revolta ao filho mais velho. Pela primeira vez o lar de Rebeca passava por um grande reboliço. Foi tal as conseqüências do roubo da primogenitura que um espírito de vingança e morte pairou sobre a sua casa. O lar de Rebeca agora estava à deriva,desconcertado.

Rebeca, sabia que Jacó seria maior que Esaú. Mas, imaginou que a sorte de Jacó estaria nas palavras de Isaque e não nas mãos do Abençoador. Como Deus estava no controle, sua misericórdia não permitiu que Esaú matasse o irmão. Se Rebeca julgou que o fim justificava os meios, estava errada. O pecado nunca servirá de atalho para uma bênção, e "Há caminho que ao homem parece direito, mas no fim dele há morte".

A escolha de Rebeca nos traz uma lição: diante de uma circunstância que envolva uma escolha difícil é preciso ter o coração em paz para decidir. É assim que está escrito em Colossenses 3:15: "Que a paz de Deus domine em vossos corações!" Naquela ocasião Rebeca estava com medo. Tinha medo da primogenitura ir para uma pessoa injusta.

Quando Rebeca deixou a casa dos pais para viajar em companhia de um estranho a fim de se casar com um noivo que nunca vira, decidiu com um coração equilibrado e em paz. Mas, quando os dias da bênção da primogenitura de Esaú chegaram, Rebeca andava atribulada e aflita. E errou.

Que Deus nos guarde de tomar decisões com um coração atribulado. Uma injustiça não justifica uma vigança, pois Deus não perde o controle da história. É melhor não pular o muro da paciência para conquistar uma bênção; você pode passar por cima da vontade de Deus e quando se der conta ,vai ver que abriu uma brecha para as investidas do diabo. Cuidado!

sábado, 31 de julho de 2010

Casamento gay aprovado na Argentina - CUIDADO Igreja Brasileira!



(Texto: Reinaldo Carlos da Silva).

Amados (as),

Este servo de Deus vem aqui falar sobre este assunto que tem tomado a midia nos últimos dias, O casamento gay foi legalizado na Argentina em 15 de Julho, sim no nosso irmão visinho do sul, tenho que dizer vos que a situação é complicada fontes nos afimam que já é séria a perseguição, lá pastores estão fechando igrejas para não serem presos, pois eles estão obrigados a celebrar o casamento gay nas igrejas.


Amigos a situação é mais séria do que se imagina, a igreja dormiu no ponto foi o que o inimigo queria, por 33 votos a favor contra 27 contra a proposta foi aprovada, A legislação concede direitos de herança e adoção e trata igualmente casais hetero e homossexuais em questões judiciais. Com isso, o país se tornou o primeiro da América Latina a autorizar e garantir os mesmo direitos civis para uniões entre pessoas do mesmo sexo.

Queridos venho alerta as igrejas para que abram os olhos, pastores abram os olhos, muito cuidado com o rebanho do Senhor alerte sua igreja sobre os riscos do Brasil se tornar uma segunda Argentina, diga para o povo ser criterioso no seu voto, e vós mesmos deem exemplo para o povo não venda o seu voto e nem o do povo, pois o povo que vós cuidais pertence ao Senhor Deus criador dos céus e da terra. Portanto alerteis a igreja de Cristo a escolher como representantes aqueles que são VERDADEIRAMENTE lavados e remidos no sangue de Cristo!

Chamo a atenção a todo o povo de Deus que nenhum candidatos que estão com mais de 1% nas pesquisas de intenção de voto se manifestarão sobre o PLC 122/06, O canditato do PSOL é a favor do casamento gay tambem.

Queridos leitores (as), informo que vejo uma tremenda ignorancia de muitos membros do corpo de Cristo, é comum quando é falado sobre a aprovação de projetos ANTICRISTÃO, simplesmente dizerem "Ah isso é pra acontecer mesmo" , "Isso realmente é pra se cumprir" , Meu irmão em Cristo, Deus sóvai fazer por mim e por você apenas o impossivel, o possivel ele não moverá uma palha, não pense que ele vai enviar anjo para vir aqui na terra para escolher Senadores ou Deputados, pense muito bem na hora de escolher o seu representante na Assembleia Legislativa,camara municipal ou federal e Senado Federal, Estes que visitam igreja de QUATRO EM QUATRO ANOS, só querem arrebentar com evangelicos!

E você meu caro colega Lider de Ministério, tenha vergonha na cara não venda seu voto e de sua congregação, o que que vocês estão pensando que podem manipular o povo e garantir o voto de todo povo de Deus? vocês só pode garantir o de vocês mesmos, porque se a esposa ou filhos de vocês não quiserem votar eles não votam!
Não comprometa o Corpo de Cristo por causa de porta, saco de cimento, terreno, ou pior carro zero Km, nem por milhões, nem por nada!

E aqui convém fazer distinção entre o joio e o trigo, existe vasos de Cristo que não se deixam manobrar por nada, existem muitos lideres que não se deixam levar por nenhuma iguaria dos reis deste mundo. Mas aqui venho para falar e avisar para que os tais que assim o agem tome jeito, Pois o Juiz está as portas.


Venho comunicar-lhes este aviso enquanto se pode fazer alguma coisa.

Lideres Evangélicos não deixem que o ladrão (Diabo) roube, mate e destrua, Portanto, evangélicos do país mobilizem-se para orar, saiam às ruas e elejam evangélicos comprometidos com Deus e candidatos que tenham temor no coração. Não deixem a porta da liberdade de expressão se fechar em nosso Brasil.

sexta-feira, 23 de julho de 2010

Metade da população israelense quer ver o Terceiro Templo reconstruído





Metade da população israelense quer ver o Terceiro Templo reconstruído

Desconhecendo que o anticristo irá sentar-se lá


Metade da população israelense quer que o Templo (Beit Templo) é reconstruído. Esta é a principal conclusão de um estudo encomendado pelo Canal Knesset TV e conduzida pelo Instituto de painéis.

A pesquisa foi realizada antes do dia de luto nacional terça-feira, conhecida como Tishá Be Av, em que os dois santos Templos em Jerusalém foram destruídas, a 2.000 e 2.500 anos, respectivamente.

Quarenta e nove por cento disseram que querem reconstruir o Templo Sagrado, enquanto 23% disseram que não. O restante disse que eles não tinham certeza.

A opinião pública está dividida sobre se eles acreditam que vai acontecer, com uma ligeira vantagem - 42% a 39% - aqueles que acreditam que o Terceiro Templo Sagrado será reconstruído.


Desejo de reconstruir o Templo Judeu 2Ts.2 :1-12


2 TS.2 :3-4- Não vos engane de modo algum, porque ele não virá a menos que a apostasia vem em primeiro lugar e eles mostram o homem do pecado, o filho da perdição;

4 - que se opõe e se exalta contra tudo o que se chama Deus ou é adorado, de modo que ele se senta no templo de Deus, mostrando-se como Deus.


Este templo será reconstruído antes ou no início da Grande Tribulacão. O anti-cristo vai sentar-se nele e estão término o profanará.Certamente, Cristo vem e não haverá demora.


O dia está chegando!
18/07/1910 (Israel National News)
www.cristoestalaspuertas.com

Há segurança para o cristão aos pés do Mestre





Sadhu Sundar Singh*

Tradução: João Cruzué

A Primeira Visão

Certa vez, em uma noite escura, fui sozinho à floresta para orar. Assentei-me sobre uma rocha, contei a Deus as minhas necessidades mais profundas e implorei por sua ajuda. Depois de um breve período, vi um homem pobre vindo em minha direção. Pensei que viesse para pedir alguma ajuda, pois estava com fome e tinha frio.

Então eu lhe disse: Sou um homem pobre, e exceto esta manta, não tenho mais nada. É melhor você ir até a aldeia mais próxima e pedir ajuda por lá. E enquanto dizia isto, ele resplandeceu como o brilho de um relâmpago, e caindo uma chuva de pingos de graça, imediatamente desapareceu. Ai! Ai! Ficou claro então para mim que fora o meu Mestre querido que veio, não para pedir algo de uma criatura pobre como eu, mas para abençoar-me e enriquecer-me (2 Cor.8:9). E assim fiquei chorando e lamentando minha loucura e falta de discernimento.

A Segunda Visão

E em outro dia, quando meu trabalho terminou, novamente fui à floresta orar. Assentado sobre a mesma rocha comecei a pensar por quais bênçãos deveria fazer minhas petições. Enquanto estava ali compenetrado ,senti que outra pessoa se aproximou e permaneceu perto de mim, e pelo seu discurso e maneira de vestir, parecia-me um honrado e devoto servo de Deus; mas seus olhos resplandeciam com astúcia e brilho estranhos. Assim que falou, senti o mau hálito do inferno.

Então ele se dirigiu a mim: "Santo e honrado Senhor, perdoe-me por interromper suas orações e invadir sua privacidade, mas é o meu dever procurar o bem estar dos outros, e é por isso eu vim até aqui lhe trazer uma importante proposta. Sua vida pura e desinteressada produz uma profunda impressão não só em mim, como também sobre um grande número de pessoas devotas.

Mas embora em nome de Deus você tenha sacrificado seu corpo e alma em favor dos outros, nunca foi realmente reconhecido. Eu creio que sendo um cristão, apenas alguns milhares de outros Cristãos serão influenciados por você, e mesmo alguns deles desconfiarão de você.

Muito melhor seria se você se tornasse um hindu ou um muçulmano, assim não se tornaria de fato um grande líder? Eles estão em busca de um líder assim tão espiritual quanto você. Se aceitar minha proposta, bilhões de Hindus e Muçulmanos tornar-se-ão seus seguidores, e lhe darão uma reverente homenagem."

Tão logo ouvi aquilo, dos meus lábios apressaram estas palavras: Retira-te daqui satanás!. Eu já sabia que era você, um lobo disfarçado com pelo de ovelha. O teu desejo na verdade é que eu abandone a cruz e o caminho estreito que leva à vida, em troca da estrada larga da morte.

Meu Mestre é minha sorte e a porção da minha herança, Ele deu a vida por mim, e convém também que eu ofereça a minha e tudo que eu tenho como sacrifício para Ele que é tudo em todos para mim. Vai-te embora daqui, porque entre você e eu não há mais nada a tratar.

Ao ouvir aquilo ele se foi rosnando e espumando de raiva. E eu, depois disso, em lágrimas derramei a minha alma diante de Deus em oração. Ó meu Senhor e Deus, meu tudo, vida da minha vida e Espírito do meu espírito, olha com olhos de misericórdia sobre mim, e enche-me com teu Espírito Santo para que meu coração não tenha lugar para outra coisa a não ser para o Teu amor. Eu não busco em Ti nenhuma dádiva a não ser a Tua presença. Tu és o Doador da vida e de todas as suas bênçãos.

De Ti não quero o mundo ou seus tesouros, nem ainda pelo céu faço meu pedido, mas somente a Ti eu desejo e em Ti espero, e onde o Senhor estiver aí é o céu. A fome e a sede deste meu coração somente podem ser saciadas em Ti, que me trouxestes à luz.

Ó Criador meu! Criastes meu coração exclusivamente para Ti, e não para outro. É por isso que ele não pode encontrar nenhum descanso ou suave calma a não ser em Ti. Leve embora então do meu coração tudo que é contrário a Ti, e entre nele e habite e governe para sempre. Amém. "

Quando me levantei desta oração, eis que um ser resplandecente, adornado de luz e beleza estava diante de mim. Embora Ele não dissesse uma palavra, e porque os meus olhos estivessem cheios de lágrimas não o vi tão claramente. Dele saíram relâmpagos e raios de amor vivificantes com tanto poder que e penetraram em mim e banharam completamente a minha alma.

Imediatamente, eu soube que era meu Salvador e estava diante de mim. Eu me levantei depressa, da rocha onde estava assentado, e caí junto a seus pés. Vi que segurava em Suas mãos a chave do meu coração. Ele abriu a sua câmara interior com sua chave de amor, e encheu meu coração com Sua presença. Para qualquer lugar que eu olhava, dentro ou para fora, eu nada via a não ser Ele.

Então eu descobri que o coração do homem é mesmo o trono e a fortaleza de Deus, e quando Ele entra ali para morar, começa o céu. Naqueles poucos segundos, Ele encheu tanto o meu coração, e falou palavras tão maravilhosas que mesmo se eu escrevesse muitos livros, não poderia contá-las todas. Porque estas coisas celestiais somente podem ser explicadas em língua celestial, e as línguas da terra não são suficientes para isto.

Fonte: Holy Trinity New Rochelle.org

Comentário: Ô glória!


Sadhu Sundar Singh era um indiano de família Sikh, que se converteu bem jovem ao Cristianismo.

segunda-feira, 19 de julho de 2010

Evangelização infantil comeca em casa e continua na Igreja


Evangelização infantil comeca em casa e continua na Igreja


"Nove Maneiras Práticas de
assegurar o vínculo dos pequenos com Jesus"

STEVE ALLEY
Tradução: João Cruzué
“Abra ou derrubarei a porta!”

"Com certeza você já viu esta cena em algum filme. Os bandidos estão cercados atrás de uma porta fechada. Os mocinhos chegam e terminam derrubando a porta. Eles chutam, batem, fazem tudo que puderem para remover a barreira.

Há muito tempo (antes dos filmes de polícia e bandidos) Jesus encorajava seus discípulos a também quebrar as barreiras. Disse Jesus: Deixai vir a mim as criancinhas, e não as impeçais” (Mateus 19:14)

Jesus entendia que há coisas que nós adultos fazemos que atrapalham os pequeninos de chegar até Ele. E Jesus em essência gritou: “Abram ou derrubarei a porta”. Precisamos avaliar criteriosamente nossos ministérios para ver se existem neles impedimentos que estorvam as crianças de chegar até o Cristo.

Cada professor que você treina, instalações que projeta, currículo que seleciona, Real que investe, em suma: cada decisão que você toma – deve ser motivada por uma filosofia que obedeça a ordem de Jesus de “não impedir as crianças.” Estas nove áreas de atuação, a seguir, o ajudarão a criar um ambiente livre de estorvos para as crianças da sua Igreja.

1. Fundamentos da Fé para Crianças --“Como se tornar um Cristão” foi um dos primeiros passos que implementamos quando pastoreávamos uma congregação de 700 membros, todos com menos de 12 anos de idade. Ali estabelecemos um critério para ajudar as crianças na tomada desta importante DECISÃO que incluía considerações por idade, privacidade, envolvimento paterno e estudos posteriores. Nossa objetivo era pavimentar um caminho para as crianças chegarem a Jesus.

2. Uso eficaz das instalações – Instalações usadas e malfeitas impedem as crianças. Lembre-se, os pais trazem suas crianças, e se os pais forem esquecidos pelas nossas instalações, as crianças não serão trazidas. Quando observei isto, limpei nossas instalações, pintei, e fiz reparos onde era necessário. . Desinfetei o quarto de crianças, dei aventais coloridos para os funcionários, e acrescentei a música. Logo os pais não só aprovaram, como também quiseram ficar e ajudar.

Avalie o ambiente de suas salas, linhas de tráfego, mobília, brinquedos, áreas de suprimentos. Eles revelam sinais de boas-vindas ou impedem as crianças? Você tem uma sala de materiais, um guichê de informações com mapas e brochuras para os pais, sinais que que identifiquem as salas? Se você está recebendo pessoas em nome de Jesus, então deve preparar o lugar.


3. Currículo Relevante – As crianças do terceiro milênio precisam encontrar Jesus com uma terminologia e estratégias de ensino que reflitam sua visão mundial, identifiquem seus medos, e satisfaçam suas necessidades. Um currículo fraco ou antiquado impede as crianças de chegar a Jesus.

Quando incorporei um novo currículo ao ministério, tive vários professores que dessistiram porque eles pensavam que um currículo impresso “limitava” o Espírito Santo. Muitas vezes você tem que abrir caminho a despeito da oposição. We vi que o Senhor abençoava nossa mudança de currículo; isto trouxe consistência e unidade para o nosso sempre crescente ministério.


4. Professores Treinados - Há muitas pessoas perfeitas, religiosas que não deviam estar ensinando. Percebi isso em alguns professores veteranos quando exigi que todos os professores existentes passassem pelo nosso processo de treinamento.

Junto com a melhoria da capacidade de ensino de nossos professores, também recebemos novos professores que eram bem-vindos para serem treinados e aproveitados como aprendizes. Uma equipe de ensino, monitores, e rotação que garantia períodos de descanso além de dobrar nosso staff de professores em menos de um ano.


5. Ordem e Unidade – se seus professores são desunidos, as crianças serão impedidas. Eu fiz tudo que pude para organizar uma equipe de ensino. Nós tínhamos eventos sociais para construir um espírito de equipe. Eu instalei caixas de mensagens, enviei boletins informativos, e instalei quadros de avisos para estar certo de que todo mundo estivesse bem informado. Eu desenvolvi a grade curricular por idade e deleguei nomeei coordenadores para pastorear grupos menores.


6. Visibilidade das Crianças – Se seu ministério de crianças em baseado em uma filosofia do tipo “ver sem ouvir” ele não crescerá e as crianças não receberam uma atenção de qualidade que Jesus tem em mente. Eu mudei as palavras “Cuidado infantil é providenciado” em nosso boletim para “Aulas de ministério infantil são oferecidas” Devotamente fiz tudo que podia para incluir histórias de professores e de crianças nos cultos de adoração de adultos.

Faça o coral de suas crianças cantar, mostre isso em vídeo, faça com que crianças as participem do culto e desafie os adultos a se envolverem exibindo "O maravilhoso Mundo das Crianças." Os adultos do dia de Jesus queriam manter as crianças separadas e distantes, mas Cristo fez uma afirmação pública quando convidou as crianças para irem até Ele, depois as manteve em seu regaço, e as abençoou.


7. Suporte aos Pais - os pais de hoje são estressados, ocupado, e às vezes assustados com as responsabilidades da paternidade. A maior parte dos pais são receptivos a uma ajuda no processo da paternidade. Lembro-me confrontando uma senhora que constantemente levava suas crianças até a porta da Igreja sem entrar para o culto.. Nunca esquecerei sua resposta chorosa me contou sua história e por que ela não queria que suas crianças crescesse, sem Deus, como ela . Aquele encontro direcionou-me a uma série de aulas sobre cuidados paternais que ela alegremente assistiu. Quando a lar fica mais distante da igreja, é a igreja que deve estender mais longe os braços do amor!


8. Orçamento Robusto – Seu orçamento é a filosofia do seu ministério com crianças expresso em números. Uma falta de visão no orçamento pode impedir as crianças. Cada ano você precisa incluir registros detalhados de cada centavo gasto e das solicitações para aumento de verbas para sustentar novo crescimento. Não tenha medo de pedir dinheiro. Lembre-se: “Nada recebeis porque nada pedis”(Tiago 4:2) É seu trabalho educar as lideranças da igreja sobre a importância das crianças. Para ajuda extra sobre a elaboração de um orçamento, pesquise na WEB.

9. Programas Relevantes - Os programas devem relacionar-se às necessidades ou os interesses das crianças que eles assistem. Um dos maiores programas que nossa equipe ministerial criou foi um programa que qualificava juniores para trabalhar como assistente do ministério de crianças. Vimos crianças que antes eram entediadas com a cristandade, repentinamente se tornarem co-líderes.

As crianças da sua Igreja merecem variedade e criatividade, portanto elabore um programa que ofereça um variado menu de escolhas: VBS, clubes de crianças, corais, grupos de representação, Acampamento Verão, retiros, e mais. A criança do terceiro milênio tem interesses únicos e diferentes que o mundo ficaria feliz em descobrir para escapar da ruína. A igreja deve contra atacar com o Poder de Deus.

Tudo o que fizermos impedirá ou encorajará o progresso das crianças em direção à melhora de seu relacionamento com Jesus. Peça a Deus para que lhe mostre onde estão as áreas em que você deve atuar para a facilitação da subida dos pequenos até os braços de Jesus."

Fonte: http://www.childrensministry.com

Steve Alley é professor da Church Ministry at Pacific Christian College in Fullerton, California, e co-autor de Skituations

João Cruzué - Blog Olhar Cristão.
Série de traduções sobre Ministérios com Crianças e Adolescentes.
"Nine practical ways to ensure that kids connect with Jesus"

terça-feira, 13 de julho de 2010

AÇAO MOVIDA CONTRA A CGADB NO TRIBUNAL DE JUSTICA DO RJ

Como já publicado em vários blogs desde as primeiras horas de hoje, foi movida uma ação contra a CGADB - Convenção Geral das Assembléias de Deus no Brasil, protocolada sob no. 0016499-84.2010.8.19.0202, no Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro, onde o referido processo será tramitado e julgado.


De acordo com a ficha do processo no Tribunal de Justiça (confira aqui), a ação é de PEDIDO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS, e foi movida por filiados, cujos nomes poderão serem conferidos no mesmo link acima.


Em que pese entender que nada há que se falar até que seja julgado o mérito da ação, precisamos assumir que, às vésperas do centenário da nossa denominação, as coisas não vão bem, seja qual for o resultado dessa ação. Infelizmente, perdemos a condição de julgar nossos próprios problemas, o que é claramente condenado pela Bíblia Sagrada. Já é lamentável que existam problemas dessa natureza, e mais ainda, que essa seja a única forma de resolvê-los. - 1 Cor. 6: 1-11


Sigamos o exemplo de Jeremias:


É hora de lamento e oração.


Aguardemos!

segunda-feira, 5 de julho de 2010

PLC 122/06 relatório da Senadora Fátima Cleide

Plc 122/2006 - Relatório da Senadora Fátima Cleide.


RELATÓRIO DA SENADORA FÁTIMA CLEIDE
COMISSÃO DE DIREITOS HUMANOS - SENADO FEDERAL.


Reproduzido por João Cruzué

do Site do Senado Federal.

"Da COMISSÃO DE DIREITOS HUMANOS E
LEGISLAÇÃO PARTICIPATIVA, sobre o Projeto de Lei da Câmara n.º 122, de 2006 (PL n.º 5.003, de 2001, na Casa de origem), que altera a Lei n.º 7.716, de 5 de janeiro de 1989, o Decreto-Lei n.º 2.848, de 7 de dezembro de 1940, e o Decreto-Lei 5.452, de 1.º de maio de 1943, para coibir a discriminação de gênero, sexo, orientação sexual e identidade de gênero.

RELATORA: Senadora FÁTIMA CLEIDE

I – RELATÓRIO

O Projeto de Lei da Câmara (PLC) nº 122, de 2006 (Projeto de Lei nº 5.003, de 2001, na Câmara dos Deputados) é de autoria da Deputada Federal Iara Bernardi, tendo sido aprovado naquela Casa em 23 de novembro de 2006.

A proposição tem por objeto a alteração da Lei nº 7.716, de 5 de janeiro de 1989, cuja ementa proclama: “Define os crimes resultantes de preconceito de raça ou de cor.”

Embora a ementa se refira apenas a duas hipóteses de motivação discriminatória passíveis de tipificação penal, o art. 1º da mencionada lei, com base na alteração efetuada pela Lei nº 9.459, de 15 de maio de 1997, estabelece que “Serão punidos, na forma desta Lei, os crimes resultantes de discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional”.

Fui designada relatora desta proposição em 7 de fevereiro de 2007 nesta comissão, de lá pra cá , realizamos diversos debates públicos. Criei um grupo de trabalho que contou com a participação de diversos setores da sociedade envolvidos com esse tema, com posições favoráveis e contrárias.

O Senador Gim Argello apresentou requerimento, aprovado em plenário, que determinou o encaminhamento da proposição à Comissão de Assuntos Sociais, onde também fui designada relatora. Após todo o acumulo à respeito da matéria, respeitando as demandas dos diversos setores da sociedade que se manifestaram à respeito, elaborei emenda que foi aprovada pela referida comissão.

II – ANÁLISE

O atual conceito de cidadania está intimamente ligado aos direitos à liberdade e à igualdade, bem como à idéia de que a organização do Estado e da sociedade deve representar o conjunto das forças sociais e se estruturar a partir da mobilização política dos cidadãos e cidadãs.

No entanto, a discriminação, o preconceito e a violência ainda permeiam o dia-a-dia de milhões de brasileiros e brasileiras que se mostram diferentes dos que estão no poder em nossa sociedade. A discriminação e o preconceito geram inúmeras violações de direitos básicos dos seres humanos.O Direito de ir-e-vir, o direito ao trabalho, à saúde, à educação, e ao direito primeiro, que é o direito à vida.

A matéria em debate ficou conhecida, equivocadamente como Projeto da Homofobia, por ter artigos que explicitavam o combate à discriminação à lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais. Porém já na redação anterior ao substitutivo apresentado na CAS, foi inserida a discriminação de gênero, que muito é conhecida por todos nós, e que teve um horripilante exemplo em São Bernardo do Campo, dias atrás, no episódio da estudante Geisy Arruda na UNIBAN.

Fiel aos preceitos democráticos republicanos, esta Relatoria acatou as diversas solicitações de ampliação do prazo para aprofundamento da discussão sobre os dispositivos propostos no projeto, de modo a contemplar os diferentes interesses que se apresentaram nessa construção legislativa. Entendi ser pertinente a apresentação de um substitutivo que adequasse às diferentes demandas e que tornasse o texto mais simples e objetivo. Outro ponto importante foi a inclusão das pessoas idosas e pessoas com deficiência.

Importa, nesse momento, reconhecer que o projeto se referencia na Dignidade Humana e no Pluralismo Político, como conceitos básicos, e em dois princípios que lhe são elementares: a liberdade e a igualdade. A igualdade não implica negação de diferenças, mas pressupõe a garantia da não-discriminação. Da mesma forma, a Dignidade Humana e o Pluralismo Político, como princípios fundamentais da República, obrigam o Estado a coibir a discriminação e a garantir tolerância, civilidade e imparcialidade de tratamento. Nesse contexto, o projeto propõe uma regulação de convivência que contempla duas máximas milenares: a liberdade de arbítrio e o respeito ao próximo.

Desse modo, em consonância com a Constituição Federal, as normas propostas buscam proteger a vida, não apenas em seu sentido biológico, mas nas relações sociais indispensáveis ao seu desenvolvimento.

Quanto ao mérito específico da proposta, cabe ressaltar que todas as condutas descritas no PLC nº 122, de 2006, se referem a comportamentos dolosos, que têm a intenção explícita de vitimar o outro, motivados por preconceito contra indivíduos ou grupos.

Igualmente, configuram-se meritórios os dispositivos prescritos no PLC nº 122, de 2006, que alcançam a pessoa jurídica, na justa medida de sua responsabilidade na multiplicação de condutas lesivas à sociedade. Esta Relatoria entende que o PLC nº 122, de 2006, tem pleno mérito na adequada definição de sujeitos e condutas criminosas, em face da inegável necessidade de recursos penais para coibir a discriminação homofóbica, de gênero, de pessoas com deficiência e de idosos no território nacional e em função de garantir a universalidade do direito à igualdade e à diversidade entre os cidadãos e cidadãs.

No âmbito desta comissão foram apresentadas seis emendas pelo nobre Senador Wilson Matos, as quais compreendo estarem contempladas no substitutivo que apresento.

III – VOTO

Em face do exposto, não vislumbrando qualquer óbice de ordem legal, constitucional ou de técnica legislativa, e julgando ser esta uma matéria de extrema importância para o pleno exercício da cidadania, votamos pela rejeição das emendas e pela aprovação do Projeto de Lei da Câmara n.º 122, de 2006 na forma da emenda (substitutivo) aprovada na Comissão de
Assuntos Sociais.

EMENDA - CDH (SUBSTITUTIVO)
Projeto de Lei da Câmara 122, de 2006

Altera a Lei nº 7.716, de 5 de janeiro de 1989, e o § 3º do art. 140 do Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940 – Código Penal, para punir a discriminação ou preconceito de origem, condição de pessoa idosa ou com deficiência, gênero, sexo, orientação sexual ou identidade de
gênero, e dá outras providências.

Art. 1º A ementa da Lei nº 7.716, de 5 de janeiro de 1989, passa a vigorar com a seguinte redação:

“Define os crimes resultantes de discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião, origem, condição de pessoa idosa ou com deficiência, gênero, sexo, orientação sexual ou identidade de gênero.” (NR)

Art. 2º A Lei nº 7.716, de 5 de janeiro de 1989, passa a vigorar com as seguintes alterações:

“Art. 1º Serão punidos, na forma desta Lei, os crimes resultantes de discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião, origem, condição de pessoa idosa ou com deficiência, gênero, sexo, orientação sexual ou identidade de gênero.” (NR)

“Art. 8º Impedir o acesso ou recusar atendimento em restaurantes, bares ou locais semelhantes abertos ao público. Pena: reclusão de um a três anos.

Parágrafo único: Incide nas mesmas penas aquele que impedir ou restringir a expressão e a
manifestação de afetividade em locais públicos ou privados abertos ao público de pessoas com as
características previstas no art. 1º desta Lei, sendo estas expressões e manifestações permitida às demais pessoas.” (NR)

“Art. 20. Praticar, induzir ou incitar a discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia,
religião, origem, condição de pessoa idosa ou com deficiência, gênero, sexo, orientação sexual ou
identidade de gênero. Pena: reclusão de um a três anos e multa.” (NR)

Art. 3º O § 3º do art. 140 do Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940 – Código Penal, passa a vigorar com a seguinte redação:

“§ 3º Se a injúria consiste na utilização de elementos referentes a raça, cor, etnia, religião, origem, condição de pessoa idosa ou com deficiência, gênero, sexo, orientação sexual ou identidade de gênero:


Art. 4º Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.

Sala da Comissão,

, Presidente

, Relatora"


Fonte: Relatoria CDH

terça-feira, 15 de junho de 2010

Ser Pastor



Ser Pastor



Qual o sentido dessa palavra? Ser pastor! Uma afirmação tão pequena, mas repleta de tanto significado!

Ser pastor é muito mais que ser um pregador. Está além de ser um administrador de igreja. Muito além de professor ou conferencista. Ser pastor é algo da alma, não apenas do intelecto.

Ser pastor é sentir paixão pelas almas. É desejar a salvação de alguém de forma tão intensa, que nos leve à atitude solidária de repartir as boas-novas com ele. É chorar pelos que se mantém rebeldes. É pensar no marido desta irmã, no filho daquela outra, na esposa do obreiro, nos vizinhos da igreja, nos garotos da rua. Ser pastor é tudo fazer para conseguir ganhar alguns para Cristo.

Ser pastor é festejar a festa da igreja. É alegrar-se com a alegria daquele que conquista um novo emprego, daquele que gradua-se na faculdade, daquele que recebe a escritura da casa própria ou do outro que recebeu alta no hospital.

Ser pastor é ter o brilho de alegria ao ver a felicidade de um casal apaixonado, ao ver o sucesso na vida cristã de um jovem consagrado, é festejar a conversão de um familiar de alguém da igreja por quem há tempos se vinha orando.

Ser pastor é desejar o bem sem cobiçar para si absolutamente nada, a não ser a felicidade de participar dessa hora feliz. Mas ser pastor também é chorar. Chorar pela ingratidão dos homens. Chorar porque muitas vezes aqueles a quem tanto se ajudou são os primeiros a perseguirem-nos, a esfaquearem-nos pelas costas, a criticarem-nos, a levantarem falso testemunho contra a igreja e contra nós. É chorar com os que choram, unindo-nos ao enlutado que perdeu um ente querido, é dar o ombro para o entristecido pela perda de um amor, é ser a companhia do solitário, é ouvir a mesma história uma porção de vezes por parte do carente. Chorar com a família necessitada, com o pai de um drogado, com a mãe da prostituta, com a família do traficante, com o irmão desprezado.

Ser pastor é não ter outro interesse senão o pregar a Cristo. É não se envolver nos negócios deste mundo, buscando riquezas, fama e posição. É saber dizer não quando o coração disser sim. É não ir à casa dos ricos em detrimento dos pobres. É não dar atenção demasiada para uns, esquecendo-se dos outros. É não ficar do lado dos jovens, em detrimento dos adultos e vice-versa. Ser pastor é não envolver-se em demasia com as pessoas, ao ponto de se perder a linha divisória do amor e do respeito, do carinho e da disciplina. Ser pastor é não aceitar subornos nem tampouco desprezar os não expressivos.

Ser pastor é ser pai. É disciplinar com carinho e amor, conquanto com a firmeza da vara, da correção e, não raras vezes, da exclusão de pessoas queridas. É obedecer a Bíblia, não aos homens. É seguir a Deus, não ao coração. Ser pastor é ser justo. Ser pastor é saber dizer não, quando a emoção manda dizer sim.

Ser pastor é ter a consciência de não ser sempre popular, principalmente quando tiver que tomar decisões pesadas e difíceis, e saber também ser humilde quando a bênção de Deus o enaltecer diante do rebanho e diante do mundo. Os erros são nossos, mas a glória é de Deus.

Ser pastor é levantar-se quando todos estão dormindo e dormir quando todos estão acordados, socorrendo ao necessitado no horário da necessidade.

Ser pastor é não medir esforços pela paz. É pacificar pais e filhos, maridos e esposas, sogros e genros, irmãos e irmãs.

Ser pastor é sofrer o dano, o dolo, a injustiça, confiando nAquele que é o galardoador dos que o buscam.

Ser pastor é dar a camisa quando lhe pedem a blusa, andar duas milhas quando o obrigam a uma, dar a outra face quando esbofeteado.

Ser pastor é estar pronto para a solidão. É manter-se no Santo dos Santos de joelhos prostrados, obtendo a solução para os problemas insolúveis.

Ser pastor é não fazer da esposa um saco de pancadas, onde descontar sua fragilidade e cansaço. Ser pastor é ser sacerdote, mantendo sigilo no coração, mantendo em segredo o que precisa continuar sendo segredo, e repartindo com as pessoas certas aquilo que é "repartível".

Ser pastor é muitas vezes não ser convidado para uma festa, não ser informado de uma notícia ou ser deixado de fora de um evento, e ainda assim manter a postura, a educação, o polimento e a compaixão.

Ser pastor é ser profeta, tornar o seu púlpito um "assim diz o Senhor", uma tocha flamejante, um facho de luz, uma espada de dois gumes, afiada e afogueada, proclamando aos quatro ventos a salvação e a santificação do povo de Deus.

Ser pastor é ser marido e ser pai. É fazer de seu ministério motivo de louvor dentro e fora de casa. É não causar à esposa a sensação de que a igreja é uma amante, uma concorrente, que lhe tira todo o tempo de vida conjugal.

Ser pastor é amar aos seus filhos da mesma forma que ensina aos pais cristãos amarem aos seus. É olhar para os olhos de seus filhos e ver o brilho de seus próprios olhos. É preocupar-se menos com o que os outros vão pensar e mais no que os filhos vão aprender, sentir e receber. É ver cada filho crescer, dando a cada um a atenção e o amor necessários. É orgulhar-se de ser pai, alegrar-se por ser esposo, servir de modelo para o povo. E, quando solteiro, tornar a sua castidade e dignidade modelo dos fiéis, enaltecendo ao Senhor, razão de sua vida.

Ser pastor é pedir perdão. Se os pastores fossem super-homens, Deus daria a tarefa pastoral aos anjos, mas preferiu fazer de pecadores convertidos os líderes de rebanho, pois, sendo humanos, poderiam mostrar aos demais que é possível ser uma bênção. Mas, quando pecarem, saberem pedir perdão. A humildade é uma chave que abre todas as portas, até as portas emperradas dos corações decepcionados. A humildade pode levar o pastor à exoneração, como prova de nobresa e integridade, como pode fazê-lo retomar seus trabalhos com maior pujança e vigor. Há pecados que põem fim a um ministério e ser pastor é saber quando o tempo acabou. Recomeçar é possível, mas nem sempre.

Ser pastor é saber discernir entre ficar ou sair, entre continuar pastor e recolher-se respeitosamente.

Ser pastor é crer quando todos descrêem. Saber esperar com confiança, saber transmitir otimismo e força de vontade. É fazer de seu púlpito um farol gigantesco, sob cuja luz o povo caminha sempre em frente, para cima e em direção a Deus. Ser pastor é ver o lado bom da questão, é vislumbrar uma saída quando todos imaginarem que é o fim do túnel. Ser pastor é contagiar, e não contaminar.

Ser pastor é inovar, é renovar, é oferecer-se como sacrifício em prol da vontade de Deus. Ser pastor é fazer o povo caminhar mais feliz, mais contente, é fazer a comunidade acreditar que o impossível é possível, é fazer o triste ser feliz, o cansado tornar-se revigorado, o desesperado ficar confiante e o perdido salvar-se. As guerras não são ganhas com armas, mas com palavras, e as do pastor são as palavras de Deus, portanto, invencíveis.

Ser pastor é saber envelhecer com dignidade, sem perder a jovialidade. É ser amigo dos jovens e companheiro dos adultos. Ser pastor é saber contar cada dia do ministério como uma pérola na coroa de sua história.

Ser pastor é ser companhia desejada, querida, esperada. É saber calar-se quando o silêncio for a frase mais contundente, e falar quando todos estiverem quietos.

Ser pastor é saber viver.

Ser pastor é saber morrer. E quando morrer, deixar em sua lápide dizeres indeléveis, que expressem na mente de suas ovelhas o que Paulo quis dizer, quando estava para partir: "combati o bom combate, terminei a carreira, guardei a fé". Ser pastor é falar mesmo depois de morto, como o justo Abel e o seu sangue, através de sua história, de seu exemplo, de seus escritos, de suas gravações.

Ser pastor é deixar uma picada na floresta, para que outros venham habitar nas planícies conquistadas para o Reino do Senhor.

Ser pastor é fazer com que os filhos e os filhos dos filhos tenham um legado, talvez não de propriedades, dinheiro ou poder político, mas o legado do grande patriarca da família, daquele que viveu e ensinou o que é ser um pastor.

Eu sou pastor.
Obrigado, Senhor!

Autor: Pr. Wagner Antonio de Araújo
Igreja Batista Boas Novas de Osasco, SP

Pointrhema.blogspot.com